Sem reformas, Brasil gastará 98% do orçamento para despesas obrigatórias em 2021

  • Por Jovem Pan
  • 20/06/2018 06h42
joelfotos/PixabayO Ministério do Planejamento admite que o rombo fiscal superior a R$ 100 bilhões nas contas públicas nos últimos anos deverá poderá permanecer até 2020

Sem reformas, o Brasil irá gastar 98% do orçamento para despesas obrigatórias em 2021. O ministro do Planejamento, Esteves Colnago, avaliou que uma “camisa de força” vai envolver o próximo presidente.

O próximo Governo o que vai fazer? Talvez ele seja o que muitas prefeituras são hoje: gestoras de folha de pagamento. Isso é muito pouco para um governo. Há um conjunto de medidas e políticas públicas que precisam ser tocadas. É um problema muito sério e que temos de enfrentar”, disse.

As despesas obrigatórias, como a Previdência, sobem acima da inflação e o Governo precisa respeitar o teto de gastos, que veta valores justamente acima da inflação.

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, reforça que em 2019, dados da LDO, Lei de Diretrizes Orçamentárias, apontam para a menor verba de custeio e investimentos dos últimos 12 anos, na casa de R$ 98 bilhões, contra R$ 124 bilhões de 2017. “O Brasil tem, talvez, o Orçamento mais rígido do mundo”, afirmou.

O deputado Marcus Pestana (PSDB) lembrou da tentativa frustrada da reforma da Previdência, para lembrar da dificuldade das alterações tramitarem no congresso: “tem uma palavra mágica que é vontade política”.

O Ministério do Planejamento admite que o rombo fiscal superior a R$ 100 bilhões nas contas públicas nos últimos anos deverá poderá permanecer até 2020.

*Informações do repórter Marcelo Mattos