Senadores tucanos questionam punição do Supremo a Aécio

  • Por Jovem Pan
  • 27/09/2017 06h34
Valter Campanato/Agência BrasilPara os parlamentares, o senador mineiro teve a liberdade cerceada quando o STF decretou recolhimento noturno dele em casa

Senadores tucanos saíram em defesa de Aécio Neves assim que saiu a decisão da Primeira Turma do Supremo de afastá-lo do cargo.

Para os parlamentares, o senador mineiro teve a liberdade cerceada quando o STF decretou recolhimento noturno dele em casa. A visão dos senadores do PSDB é de que esse decreto é análogo a uma prisão domiciliar.

De acordo com a Constituição, sempre que o Supremo decretar prisão de um parlamentar, a medida tem que passar pelo crivo do plenário da Casa à qual ele pertence.

Para o senador Cássio Cunha Lima, o plenário do Senado vai ter que decidir sobre a punição de Aécio: “houve a suspensão do mandato além do cerceamento parcial de liberdade, isso impõe a manifestação do plenário do Senado”.

Já o líder do PSDB no Senado, Paulo Bauer, questionou a decisão do Judiciário. Ele diz que Aécio Neves vinha contribuindo com as investigações e lembrou que o ministro Marco Aurélio Mello já tinha reconduzido o tucano ao cargo: “nós entendemos que o senador Aécio estava informando a Justiça de todos os atos dos quais ele era acusado e primeira decisão do tribunal era de devolver condições políticas”.

O presidente do Senado Eunício Oliveira ainda não comentou o caso. Apenas disse que vai consultar técnicos do parlamento sobre possíveis procedimentos a serem tomados.

*Informações do repórter Levy Guimarães