Serviços ficam parados em maio, diz IBGE

Segundo o IBGE, frente a maio de 2018, houve crescimento de 4,8% do setor de serviços

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2019 13h23
Agência Brasilo setor de serviço ficou estagnado em 0,0% em maio deste ano, na comparação com abril

Em mais um sinal da dificuldade da economia brasileira em 2019, o setor de serviço ficou estagnado em 0,0% em maio deste ano, ante abril, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No entanto, frente a maio de 2018, houve crescimento de 4,8%.

O resultado representa o melhor mês de maio desde o início da série histórica, em 2012, e a melhor taxa desde fevereiro de 2014.

Porém, esses dados positivos precisam ser relativizados. Afinal, em maio do ano passado, houve a greve dos caminhoneiros que paralisou o Brasil por mais de 10 dias. Além disso, maio deste ano teve um dia útil a mais do que maio de 2018.

Dos segmentos pesquisados em maio frente a abril, apenas o setor de Transportes, Correio e Armazenagem, apresentou queda. No entanto, ele representa apenas um terço da pesquisa mensal de serviços do IBGE e é uma atividade que está muito ligada ao ritmo da economia brasileira, que depende mais do modal rodoviário, da logística do transporte rodoviário, para a distribuição de bens e mercadorias Brasil afora.

Pior de tudo, segundo o economista e gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, é que os indicadores antecedentes para esse setor de Transportes não são nada animadores. “A gente tem como indicadores antecedentes a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias, que tem uma aderência importante com o transporte rodoviário de carga, mensurado na pesquisa mensal de serviços. Eles já sinalizam perdas tanto na comparação com maio, como na comparação com junho do ano passado”, disse.

De acordo com ele, o índice de confiança, apesar de pequeno crescimento mostrado no mês de junho, vem de perdas importantes.

Outros indicadores econômicos também mostram essa fragilidade da economia brasileira. Também no mês de maio, a indústria caiu 0,2%; e o comércio, 0,1%.

Os serviços acumulam no ano de 2019 crescimento 1,4%. Já nos últimos 12 meses, crescimento de 1,1%.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga