Skaf não vê constrangimento em candidatura pelo MDB e afirma: denúncias são responsabilidade do MP

  • Por Jovem Pan
  • 23/07/2018 10h34 - Atualizado em 23/07/2018 10h37
Johnny Drum/Jovem PanSkaf afirma não enxergar constrangimento de estar no mesmo partido que essas pessoas. "O que me causa constrangimento é participar da política nos dias de hoje. Todos os partidos estão cheios de gente acusada", afirma.

O pré-candidato ao governo de São Paulo, Paulo Skaf, rebateu as críticas se estar participando das Eleições 2018 por um dos partidos com o maior número de políticos denunciados e envolvidos em escândalos nos últimos tempos: o MDB

Segundo ele, a sua imagem está acima desses problemas. Skaf acredita que o eleitor o escolhera muito mais por sua história do que pela aproximação com um determinado personagem político. “A imagem de todos os partidos são muito ruins e eu tive uma carreira política desde 2010. Não era conhecido, não tinha padrinho e nem amigo na política”, afirma. “Quem me conhece, sabe que tenho minha carreira política feita por mim mesmo.”

O pré-candidato está no mesmo partido que o presidente Michel Temer, que também tem sua carreira política originária em São Paulo. Além da presença do próprio presidente, o fato é que no MDB também abrigou figuras como Geddel Vireira Lima, Eduardo Cunha, ambos presos por corrupção, Romero Jucá, entre outros.

Skaf afirma não enxergar constrangimento de estar no mesmo partido que essas pessoas. “O que me causa constrangimento é participar da política nos dias de hoje. Todos os partidos estão cheios de gente acusada”, afirma.

Questionado sobre as denúncias que seu correligionários enfrentam, ele é taxativo.  “Esse é um problema para o Ministério Público, para a Polícia Federal e para a Justiça”, rebate. “Para isso temos esses poderes, essa não é uma questão para ser analisada por mim. Eu entrei na carreira política só para ajudar”.

Confira a cobertura completa das Eleições 2018