Sob forte esquema de segurança, indígenas chegam a Brasília para Acampamento Terra Livre

O lema do encontro desse ano será “sangue indígena, nenhuma gota a mais”

  • Por Jovem Pan
  • 25/04/2019 07h19 - Atualizado em 25/04/2019 10h37
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoO encontro é considerado a maior manifestação indígena do país e a expectativa é de que reúna quatro mil pessoas até sexta-feira (26) em Brasília

Sob um forte esquema de policiamento na Esplanada dos Ministérios, indígenas de todo o país, começaram a chegar nesta quarta-feira (24), em Brasília, para o Acampamento Terra Livre.

O encontro é considerado a maior manifestação indígena do país e a expectativa é de que reúna quatro mil pessoas até sexta-feira (26) em Brasília. Nesta quarta pela manhã eles começaram a montar o acampamento bem em frente ao Congresso Nacional.

Depois de muita negociação entre as lideranças indígenas e representantes da Polícia Militar, o acampamento foi deslocado para uma área mais afastada, ainda na Esplanada, mas não tão perto do Congresso.

O Governo autorizou que a Força Nacional garanta a segurança do patrimônio público na Esplanada. Ou seja, a Força Nacional vai focar nos prédios públicos sendo que a segurança propriamente dita continua sob a responsabilidade da Polícia Militar do DF.

A líder indígena Sônia Guajajara ressaltou que a ordem será resistir contra toda tentativa do Governo de prejudicar conquistas antigas dos povos indígenas.

O lema do encontro desse ano será “sangue indígena, nenhuma gota a mais”.

Na chegada, muitos reclamaram do esquema de policiamento e da presença da Força Nacional. O porta-voz da Presidência, Rêgo Barros, negou problemas com os manifestantes e disse que os indígenas precisam ser valorizado.

Entre os pontos que deverão ser discutidos até amanhã estão a revisão das regras de demarcação de terras indígenas, a posição contrária à proposta de municipalização dos serviços de saúde e críticas à transferência da Funai para o Ministério da Família.

*Informações da repórter Luciana Verdolin