Sociedade e políticos discutem em RR medidas para receber refugiados venezuelanos

  • Por Jovem Pan
  • 08/03/2018 06h49 - Atualizado em 08/03/2018 09h22
ACNUR/Boris HegerDeputados estaduais e representantes sociais se reuniram em Roraima para discutir medidas eficazes na recepção de refugiados venezuelanos

Deputados estaduais e representantes sociais se reuniram em Roraima para discutir medidas eficazes na recepção de refugiados venezuelanos.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Carlos Bezerra Júnior, foi convidado a participar da audiência Pública realizada nesta quarta-feira em Boa Vista.

O parlamentar visitou praças e abrigos onde está parte dos imigrantes e em conversas com representantes locais, destacou que o Estado de São Paulo foi construído por imigrantes.

Durante a audiência, Carlos Bezerra Júnior levantou sete medidas a serem tomadas para receber os venezuelanos de maneira digna, e apelou para que instituições religiosas também atuem na interiorização: “fica aqui, nessa minha sugestão final, o estímulo para que organizações como as igrejas, para que estas, com seus prédios, durante a semana, possam ser espaços para promover esse tipo de ação na capacitação profissionalizante desses imigrantes refugiados”.

O deputado estadual paulista Carlos Bezerra Júnior, ressalta a importância de ajudar os venezuelanos como extensão da população local.

Também durante a audiência, o deputado estadual Soldado Sampaio, integrante da Comissão de Direitos Humanos e das Minorias da Assembleia Legislativa de Roraima, destacou o efeito da xenofobia na população do Estado: “tem se criado em Roraima uma discriminação, xenofobia com relação aos venezuelanos. Muitos preferem jogar pedra e criticar, tomam leitura política”.

O deputado Soldado Sampaio lamentou que parcelas da população tenham sugerido a construção de um muro na fronteira entre Brasil e Venezuela.

Com o prosseguimento do processo de interiorização, a capital paulista receberá 350 venezuelanos. Serão apenas adultos solteiros, que serão recebidos em centros de acolhimento destinados inicialmente à população em situação de rua.

Os refugiados terão camas e kits de higiene pessoal disponíveis. O deslocamento dos imigrantes deve começar ainda neste mês.

*Informações do repórter Matheus Meirelles