Solução de dois estados para Israel e Palestina gera desconfiança e protestos em Gaza

  • Por Jovem Pan
  • 29/01/2020 06h42
EFEAssim que o acordo foi anunciado, o grupo islamita palestino Hamas -- que controla a Faixa de Gaza -- considerou a proposta de Trump agressiva

Milhares de pessoas foram às ruas em Gaza nesta terça-feira (28) para protestar contra o plano de paz no Oriente Médio anunciado pelo presidente americano Donald Trump. Bandeiras israelenses e fotos de Trump e do primeiro ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foram queimadas pelos manifestantes.

Os palestinos argumentam que o plano apresentado anula as resoluções da ONU e dá a Israel tudo o que eles sempre exigiram. As lideranças da Palestina rejeitavam o acordo mesmo antes de ele ser anunciado.

A proposta dos Estados Unidos — chamada de “acordo do século” — foi celebrada por Netanyahu.

Os Estados Unidos propõem a adoção de dois estados na região e Palestina passaria a ser reconhecida como uma nação soberana pelos americanos. O acordo estabelece que Jerusalém permaneceria indivisível como a capital israelense.

Ao mesmo tempo, o plano prevê que a capital da Palestina ficaria em Jerusalém Oriental e um espaço localizado ao Sul do território de Israel seria entregue aos palestinos.

Os Estados Unidos se comprometeram a abrir uma embaixada no novo território caso a transição aconteça pacificamente. Além disso, US$ 50 bilhões seriam investidos na Palestina para gerar 1 milhão de empregos.

Outro ponto que gerou revolta dos palestinos é o reconhecimento das colinas de Golã como território de Israel.

Assim que o acordo foi anunciado, o grupo islamita palestino Hamas — que controla a Faixa de Gaza — considerou a proposta de Trump agressiva e sem sentido e afirmou que Jerusalém vai continuar sendo um território da Palestina. O acordo também foi criticado pelo assessor do presidente do Irã, Hassan Rouhani.

Os iranianos consideraram a proposta um pacto entre Estados Unidos e Israel que, na verdade, exclui a Palestina — e, por isso, não é um plano de paz.

A Liga Árabe convocou uma reunião para o próximo sábado (1º) que terá como objetivo discutir o plano de paz. O encontro foi convocado a pedido das autoridades palestinas e deve ter a participação do presidente Mahmoud Abbas.

*Com informações do repórter Renan Porto