SP estuda campanha em escolas para alertar contra feminicídio

  • Por Jovem Pan
  • 14/06/2019 07h14
Pixabay Mulher levantando a mão em foto preto e branco Nos primeiros quatro meses de 2019, estado registrou aumento de 54% dos casos de feminicídio

Até abril deste ano, pelo menos 54 mulheres morreram no estado de São Paulo apenas pelo fato de serem mulheres. Nos primeiros quatro meses de 2019, o estado teve um aumento de 54% nos casos de feminicídio. No mesmo período do ano passado, foram 35 mortes.

70% dos casos de feminicídio são praticados por pessoas do convívio da vítima, na maioria das vezes, dentro de casa.

Diante da aumento dos casos, o governo de São Paulo lançou nesta quinta-feira (13) uma campanha publicitária de conscientização do feminicídio e combate à violência doméstica. A campanha será vinculada em canais abertos de rádios e TVs.

O governo ainda estuda a expansão de uma campanha física nas escolas públicas do estado, envolvendo a conscientização de alunos, pais e professores.

Para a delegada geral adjunta de polícia Elisabete Sato mais que denunciar, é necessário promover uma mudança de postura na sociedade.

“Nós vivemos num país extremamente machista, temos que considerar isso. Então se fala por aí que é bacana o homem agredir a mulher. Na minha concepção de policial, há a necessidade de uma mudança de postura. Nós temos que conscientizar esses homens que a mulher não está aí para apanhar”, declarou a delegada.

O estado possui hoje 133 Delegacias da Mulher, o governador João Doria prometeu entregar mais sete até o final da gestão.

Segundo o governador, o baixo número de policiais civis ainda é o que impede a entrega de mais delegacias da mulher neste momento. Um novo concurso para contratar mais profissionais de polícia mulheres já foi aberto.

*Com informações da repórter Victoria Abel