Supremo da Venezuela decidirá se julga e afasta procuradora-geral em cinco dias

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2017 12h10 - Atualizado em 05/07/2017 12h11
"Não vou convalidar um circo que mancha nossa história e cuja decisão já está cantada", disse Díaz

A guerra entre a procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, que enfrenta sua possível destituição e a Corte máxima do país teve mais um capítulo.

Ex-aliada de Nicolás Maduro, ela é a primeira chavista em posição de poder que bate de frente com o presidente e sua convocação a uma Assembleia Constituinte.

Nesta terça-feira (04), ela se negou a comparecer a uma audiência preliminar no Tribunal Supremo convocada pelo deputado chavista Pedro Carreño. O político a acusa de “mentir” por ter afirmado que não aprovou a eleição de 33 magistrados em 2015.

”Ela se negou ao país de participar da audiência, isso é um erro grave. Mais que isso ela atentou contra a moral, contra a ética do poder público. Ela sofreu as consequências, se passou por traidora assim como Judas, o primeiro traidor que está na Bíblia”, disse Carreño.

Luisa Ortega considerou o processo contra ela uma violação para anular o Ministério Público: “apesar de ter recusado aos magistrados e que não compareci ao Tribunal, não vou convalidar um circo que mancha nossa história e cuja decisão já está cantada. Ainda mais que eu não reconheço os magistrados, são ilegítimos e inconstitucionais”.

Quem saiu em defesa de Ortega Díaz no Brasil foi o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Ele assinou um documento junto com chefes dos ministérios públicos de países ibero-americanos de apoio à sua colega da Venezuela em seu papel de resguardo da constitucionalidade.

Agora, o Supremo da Venezuela decidirá se vai julgar e afastar a chefe do Ministério Público em cinco dias.

*Informações do repórter Victor Moraes