Supremo deve julgar nessa terça (28) denúncia de racismo contra Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 27/08/2018 05h57 - Atualizado em 27/08/2018 05h57
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilO ministro Marco Aurélio é relator do suposto caso de racismo de Bolsonaro contra um quilombo, da região de Eldorado, em São Paulo

De olho na corrida presidencial desse ano, o deputado federal e candidato à presidência pelo PSL, Jair Bolsonaro, quer se livrar logo de qualquer assunto que possa ser uma pedra no sapato.

Recentemente, o deputado pediu para o ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello para que o julgamento de uma denúncia fosse feito repidamente. O ministro Marco Aurélio é relator do suposto caso de racismo de Bolsonaro contra um quilombo, da região de Eldorado, em São Paulo.

Esse julgamento estava agendado para o mês que vem. Mas Marco Aurélio Mello pediu para o presidente da Primeira Turma do Supremo, e o ministro Alexandre de Moraes aceitou. Adiantou a votação, que está na agenda desta terça-feira (28).

Além de Marco Aurélio Mello e Alexandre de Moraes, os ministros Luiz Fux e Luís Roberto Barroso e a ministra Rosa Weber vão votar se aceitam ou não a denúncia da Procuradoria-Geral da República.

Para a PGR, houve racismo quando Bolsonaro disse numa palestra, em abril do ano passado, que naquele quilombo os negros não serviam nem para reproduzir devido ao peso deles e usou a medida atribuída a animais, a arroba, para falar isso.

O que a Primeira Turma do STF vai julgar amanhã é justamente se concorda ou não com a Procuradoria. Se isso acontecer, Bolsonaro vai se tornar réu nesse processo. O que pode não ser nada bom para ele, já que na última semana, o ministro Celso de Melo disse publicamente que a possibilidade de alguém que é réu num processo criminal tomar posse da presidência é um tema que ainda tem que ser muito bem debatido pela Justiça.

E o Supremo Tribunal Federal já deu diversas demostrações de que dali de dentro tudo pode acontecer, independentemente de qualquer tipo de lógica comum.

Do julgamento desta terça-feira, Bolsonaro pode sair ileso, caso a denúncia seja rejeitada. Mas ele já é réu no processo sobre incitação ao estupro, depois da briga com a deputada Maria do Rosário.

A defesa do deputado, no entanto, diz que ele está tranquilo porque essas declarações fazem parte da retórica do capitão, que pode falar o que bem pensar já que ele tem imunidade parlamentar e também é o típico exemplar de um homem rústico.

Confira a cobertura completa das Eleições 2018

*Informações do repórter Caio Rocha