Teich diz que reabertura terá regras específicas para cada região

  • Por Jovem Pan
  • 28/04/2020 06h23 - Atualizado em 28/04/2020 08h14
Alan Santos/PRTeich afirma que não se pode tomar medidas inesperadas ou apressadas com relação ao isolamento

O Brasil registrou na segunda-feira (27) 66.501 casos confirmados de coronavírus com 4.543 mortes até agora. Nas ultimas 24 horas, houve um crescimento de 7,5% que tem se mantido estável, ou seja forma diagnosticados 4.613 casos novos e 338 novas mortes.

Mesmo assim, segundo o ministro da Saúde, Nelson Teich, o número de casos confirmados no Brasil é inferior ao dos demais países do mundo considerando a partir dos 100 primeiros casos registrados da doença.

Existe um aumento do número de mortes em algumas localidades, por conta de resultados de exames que demoram a ser liberados. O novo ministro, que participa de videoconferência na terça-feira (28) no senado, para explicar as ações para socorrer os estados e municípios no combate à covid 19, evita fazer previsões sobre quando se dará o pico da doença.

Até por conta disso, ele afirma que não se pode tomar medidas inesperadas ou apressadas com relação ao isolamento. Cada região terá regras específicas. Segundo o ministro, a conta não é exata, as decisões vão levar em consideração as realidades locais

O ministro, defensor dos testes em massa, confirmou ainda que o o governo fará uma parcerias para definir uma estratégia para a testagem das pessoas. O entendimento, nesse momento, segundo ele, é que essa informação será fundamental para ver como a doença se comporta, e se teremos outras ondas, como aconteceu com a gripe espanhola por exemplo.

O secretário executivo do ministério, o general Eduardo Pazuello, participou nesta segunda da coletiva. Ele elogiou o trabalho realizado até agora pelo ministério da Saúde e disse que o momento é de se avançar.

Ele defendeu ainda a necessidade de se pensar o país, de forma não linear, o isolamento para um estado pode ser bom, para outro, não fazer muita diferença. Por isso, Pazuello destaca a necessidade de entender e levar em consideração as características de cada região.

A boa notícia, segundo o secretário executivo, é que o planejamento inicial já foi feito. O país já tem uma conduta. Já é possível saber o que dá certo e o que dá errado, agora o objetivo é ajustar os ponteiros.

Até por conta disso, o governo sinaliza que está estudando a retomada dos jogos de futebol, nesse primeiro momento, sem público.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin