Arrolado como testemunha, Temer recebe perguntas de Cunha em processo sobre FI-FGTS

  • Por Jovem Pan
  • 06/07/2017 07h09 - Atualizado em 06/07/2017 13h04
Temer poderá responder por escrito, uma vez que foi arrolado como testemunha de defesa de Cunha

 

Depois de ter sido chamado nesta semana de “ingrato” pelo ex-presidente Lula, que prestou depoimento à Justiça Federal de Brasília, o presidente Michel Temer terá agora que responder às perguntas do ex-deputado Eduardo Cunha no mesmo processo, que investiga irregularidades no FI-FGTS, um fundo milionário de investimento que foi criado com o objetivo de alavancar investimentos em infraestrutura.

Temer poderá responder por escrito, uma vez que foi arrolado como testemunha de defesa de Cunha.

O ministro Moreira Franco também foi convocado, e nestas quarta-feira (05), o ministro do Planejamento, Diogo Oliveira explicou como funcionava o conselho curador do fundo de investimento.

Assim como o ex-presidente Lula, o ministro disse que não sabia de irregularidades no fundo e que só ficou sabendo pela imprensa das suspeitas em torno do financiamento para o Porto Maravilha no Rio de Janeiro.

Entre as perguntas de Cunha: se o presidente sabia da existência de propina no projeto de revitalização do porto do Rio de Janeiro, e se conhecido Moreira Franco teria sido beneficiado. Cunha ainda pergunta se Temer foi quem indicou Moreira Franco para a vice-presidência da Caixa Econômica Federal durante o Governo Lula e questiona se o presidente pediu propina de empreiteiras financiadas pelo FI-FGTS para o PMDB.

Ao todo foram 22 perguntas, inclusive se Temer teve conhecimento de qualquer vantagem indevida dele, Eduardo Cunha, em processos de liberação dos financiamentos.

*Informações da repórter Luciana Verdolin