Temer vai a Campinas para inauguração do projeto Sirius, que é exemplo no exterior

  • Por Jovem Pan
  • 14/11/2018 08h37
EFEO presidente Michel Temer e outras autoridades, como o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, estarão presentes na cerimônia

A primeira etapa do maior e mais complexo projeto científico já construído no Brasil será inaugurada nesta quarta-feira (14), em Campinas, no interior paulista.

O presidente Michel Temer e outras autoridades, como o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, estarão presentes na cerimônia.

De última geração, o Sirius é classificado como um dos projetos mais ambiciosos da ciência brasileira. Atualmente, no mundo todo, apenas um equipamento da Suécia é semelhante a ele.

O mecanismo é composto por três aceleradores de elétrons que têm como função gerar um tipo especial de luz de altíssimo brilho, capaz de revelar estruturas de materiais orgânicos e inorgânicos, como proteínas, vírus, rochas, plantas, ligas metálicas e outros.

O programa recebe o investimento de mais de um bilhão de reais do governo e mostra o avanço do Brasil no cenário científico mundial. No entanto, mesmo com o progresso do projeto Sirius, o país ainda sofre com a falta de investimento em pesquisa.

Na última semana, uma comissão na Câmara dos Deputados reuniu dirigentes de diversas entidades científicas do país para discutir o orçamento do setor no ano que vem.

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, o CNPq, reclamou sobre os cortes de verba, que prejudicam os estudos. O representante da entidade, Marcelo Morales, declarou que ciência é base para qualquer país e alertou que o orçamento atual não permite inovação.

Além da ausência de estrutura básica para conduzir pesquisas, a falta de investimento e de incentivo e a burocracia excessiva contribuem para o cenário.

Os cientistas presentes na comissão enfatizaram que a falta de recursos para ciência e tecnologia também tem reflexos na imagem do Brasil no exterior.

A próxima etapa do Sirius tem previsão de conclusão no segundo semestre de 2019. O projeto completo inclui outras sete estações de pesquisa que deverão entrar em operação até 2021.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto