Temporal causa transtornos na capital paulista e região metropolitana

  • Por Jovem Pan
  • 08/03/2019 07h40 - Atualizado em 08/03/2019 10h05
Ananda Migliano/Estadão ConteúdoPonto de alagamento no bairro do Cambuci, na região central de São Paulo, em tarde de forte chuva na capital paulista

A cidade de São Paulo voltou a entrar em estado de atenção no meio da tarde desta quinta-feira (07) devido às fortes chuvas que se formaram no interior.

A instabilidade se formou por causa do forte calor e da alta disponibilidade de umidade na atmosfera. A zona Norte foi a primeira a sofrer com o temporal, que causou transtornos em Jaçanã, Tremembé, Tucuruvi e Vila Medeiros. Depois a chuva se espalhou por todo o município, causando alagamentos em terminais de ônibus, como o Princesa Isabel, no Centro da Capital Paulista.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, mais de 100 árvores caíram na Grande São Paulo e na Região Metropolitana. Em um dos casos, na zona norte, a queda de árvore deixou três pessoas feridas.

Thomaz Garcia, meteorologista do Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas, explicou o que tem motivado a formação dos temporais. Ele apontou que a cidade já enfrentou 16 dias seguidos de chuvas.

Como em todo o período de instabilidade, a preocupação gira em torno da grande incidência de raios. O Brasil é campeão em número de descargas atmosféricas no mundo, com uma média de 50 milhões por ano.

A meteorologista da Somar, Heloisa Pereira, aponta as causas do grande volume de raios em centros urbanos. De acordo com ela, em momentos de chuva, é preciso procurar abrigo e evitar ficar embaixo de árvores ou em campos abertos.

Na quarta-feira, um homem de 40 anos e duas crianças, de 9 e 12 anos, morreram em um incêndio causado por um raio, em Arujá, na Grande São Paulo. No Guarujá, quatro homens foram resgatados nesta quinta-feira depois de sentirem uma descarga elétrica.

De acordo com o Grupo de Eletricidade Atmosférica, do INPE, 52 mil raios atingiram os 38 municípios da região metropolitana de São Paulo até 28 de fevereiro.

*Informações do repórter Matheus Meirelles