TJ-SP lança canal online para o atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica

  • Por Jovem Pan
  • 08/04/2020 06h38 - Atualizado em 08/04/2020 08h48
A principal preocupação das autoridades é diminuir a subnotificação dos casos de violência doméstica

Ficar em casa é o mais indicado para evitar a disseminação e o contágio pelo coronavírus, mas pode ser fatal para mulheres vítimas de violência doméstica.

O fato de não saber a quem recorrer ou de não conseguir se afastar do agressor em meio à quarentena pode fazer com que elas não procurem ajuda.

É por isso que Tribunal de Justiça de São Paulo lançou nesta terça-feira um canal online que presta informações às vítimas.

A juíza Teresa Cristina Cabral, da Coordenadoria da Mulher em situação de violência doméstica e familiar do poder judiciário, defende que a quarentena, mas pede mais atenção ao aumento da violência doméstica, já que a vulnerabilidade deve aumentar neste período.

Para acessar o projeto basta entrar no site www.tjsp.jus.br/cartademulheres e preencher um formulário. Com base nestas respostas, uma equipe especializada vai dar as orientações mais adequadas para cada caso, de acordo com o tribunal.

Serão informados, por exemplo, os locais para atendimento, como delegacias, casas de acolhimento, defensoria pública e Ministério Público. Também vão ser esclarecidos os possíveis desdobramentos de uma denúncia e os tipos de medidas protetivas que existem.

A juíza Tereza Cristina Cabral ressalta que não são só as vítimas de violência doméstica que podem acessar o portal. A Justiça de São Paulo garante o sigilo e também que nenhum caso será levado para as autoridades.

A principal preocupação das autoridades é diminuir a subnotificação dos casos de violência doméstica. Dados da Justiça paulista mostram que o número de medidas protetivas concedidas no fim de março caiu quase pela metade depois que a quarentena entrou em vigor no estado.

Do dia dois a oito de março, foram concedidas 1.306 medidas protetivas urgentes. Já no período de 23 a 29 de março esse número caiu para 744.

*Com informações da repórter Nicole Fusco