Torcedores envolvidos em briga que motivou torcida única nos clássicos viram réus

  • Por Tiago Muniz / Jovem Pan
  • 24/08/2017 10h03 - Atualizado em 24/08/2017 10h05
Reprodução 18 dos 21 réus pertencem à torcida Mancha Alviverde, do Palmeiras

Vinte e um torcedores de Palmeiras e Corinthians que se enfrentaram na estação Brás do Metrô antes de clássico entre as duas equipes em abril do ano passado se tornam réus.

O juiz Ulisses Augusto Pascolati Júnior aceitou a denúncia do Ministério Público contra 18 integrantes da Mancha Alvi-Verde e outros três da Pavilhão Nove.

Eles serão julgados pelos crimes de lesão corporal, dano ao patrimônio, explosão, associação criminosa e incitação à violência.

A promotoria chegou a pedir a prisão preventiva dos acusados, mas o magistrado determinou apenas o afastamento dos envolvidos dos estádios.

Em dias de jogos das equipes, dentro ou fora de casa, eles devem comparecer a algum quartel da PM ou do Corpo de Bombeiros chegando ao local uma hora antes do início das partidas e saindo trinta minutos depois.

O confronto entre os torcedores aconteceu em 3 de abril de 2016 antes do clássico entre Palmeiras e Corinthians disputado no Pacaembu pelo Campeonato Paulista.

Horas antes do Dérbi, integrantes da organizadas se encontraram na estação Brás da linha 3-Vermelha do Metrô e se enfrentaram chegando a disparar rojões de dentro de um dos trens.

No mesmo dia, pelo menos outras três brigas foram registradas em São Paulo e na região metropolitana antes da partida.

Em São Miguel Paulista, na Zona Leste da Capital, um homem foi atingido com uma bala perdida no peito e morreu.

José Sinval Batista de Carvalho não tinha envolvimento com as torcidas organizadas e passava por acaso em frente a estação da CPTM do bairro; até hoje a Polícia não encontrou o culpado pelo disparo.

As brigas registradas em 3 de abril do ano passado motivaram a determinação de torcida única nos clássicos realizados no Estado de São Paulo.