Três a cada dez famílias não vacinaram os filhos em 2020, diz pesquisa

Além da cobertura vacinal, a pesquisa mostrou que 44% das famílias deixaram de fazer acompanhamento de rotina no pediatra

  • Por Jovem Pan
  • 12/02/2021 08h32
Arquivo/Agência BrasilPesquisa faz parte da campanha MaisQueUmPalpite, que busca combater as fake news sobre a saúde das crianças

Por causa da pandemia da Covid-19, quase 30% das famílias brasileiras adiaram a vacinação dos filhos no ano passado. Cerca de 10% só pretendem retomar a imunização quando a pandemia passar completamente. É o que mostrou uma pesquisa realizada pelo Ibope em outubro do ano passado. Foram ouvidos, de forma online, mil pais e mães de classes sociais diferentes em todas as regiões do Brasil. Os dados são mais preocupantes nas regiões Norte e Centro Oeste do país, onde 40% das famílias adiaram a vacinação.

Os resultados obtidos pelo estudo contrariam a recomendação dos especialistas. De acordo com a pediatra e infectologista Julia Spinardi, a baixa cobertura vacinal pode trazer de volta doenças já controladas no país. “Essas crianças vão retornar para as escolas com as vacinas atrasadas e vamos começar a ver doenças que já estavam controladas aparecendo com mais frequência. A gente teve o exemplo do sarampo ano passado. Na metade do ano, tínhamos 7 mil casos notificados de sarampo.” Além da cobertura vacinal, a pesquisa mostrou que 44% das famílias deixaram de fazer acompanhamento de rotina no pediatra. Esse número sobe para 50% quando se trata entre pais de crianças de três a cinco anos de idade.

A pediatra e infectologista Julia Spinardi enumera os fatores que fazem com que as consultas ao pediatra sejam ainda mais importantes neste momento. “Entre eles o aumento da exposição a telas, a mudança da alimentação com aumento da ingestão calórica. Além, é claro, de todo o stress emocional causado pelo período de confinamento.” A pesquisa faz parte da campanha MaisQueUmPalpite, que busca combater as fake news sobre a saúde das crianças e conscientizar as famílias sobre a prevenção de doenças infectocontagiosas.

*Com informações da repórter Nicole Fusco