EUA: Trump manda estados abrirem igrejas; templos deverão seguir regras

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2020 07h25
Chris Kleponis/EFETrump disse que vai “passar por cima” das ordens dos governadores se eles não concordarem com as reaberturas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que igrejas e outros templos religiosos são essenciais e, por isso, governadores do país devem reabrir esses lugares ainda neste fim de semana.

Nos Estados Unidos, este é o final de semana do Memorial Day, feriado que acontece sempre na última segunda-feira de maio e homenageia militares norte-americanos que morreram em combate.

Trump disse que vai “passar por cima” das ordens dos governadores se eles não concordarem com as reaberturas. Mas ele não deixou claro exatamente de que forma conseguiria fazer isso, já que a lei determina que essa decisão é dos estados.

O CDC, Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, anunciou novas orientações para templos religiosos na sexta-feira.

De acordo com as recomendações, os templos devem diminuir a quantidade de pessoas que participam das cerimônias.

As cerimônias também não devem ter corais ou grupos que recitam textos, ou esses grupos devem ser menores. Isso porque ao falar ou cantar as pessoas soltam gotículas de saliva, que podem transmitir o vírus.

As pessoas também não devem dividir objetos como livros, tapetes de oração e outros itens que às vezes passam de mão em mão nas cerimônias.

Templos religiosos já podem reabrir em mais da metade dos estados norte-americanos, mas o funcionamento varia de estado pra estado.

Em Nova York, o governador Andrew Cuomo autorizou nessa semana reuniões religiosas com no máximo dez pessoas. Todas devem usar máscaras e respeitar a distância de cerca de dois metros.

Nas igrejas católicas, também não vai ter água benta. As entradas terão álcool gel e um aviso dizendo que pessoas com sintomas de gripe não devem entrar.

Alguns líderes religiosos ainda acham muito arriscado reabrir neste momento, e preferem que os templos continuem fechados.

Enquanto os Estados Unidos discutem como reabrir o país e evitar uma nova onda de covid-19, a corrida por tratamentos e vacinas contra a doença continua.

Na segunda-feira, a empresa norte-americana de biotecnologia Moderna anunciou resultados positivos dos primeiros testes em humanos. Na sexta-feira, pesquisadores também anunciaram resultados de testes com uma vacina que está desenvolvida na China.

A pesquisa, ainda em fase inicial, foi feita por diversos laboratórios e contou com 108 pessoas que receberam a vacina. De acordo com os cientistas, os testes mostraram que a vacina é segura, e as pessoas que tomaram uma dose da vacina produziram resposta imune dentro de duas semanas.

Estes foram apenas os primeiros testes, então ainda não dá pra saber se a vacina é mesmo capaz de proteger contra a covid-19. De qualquer forma, são resultados promissores.

*Com informações da repórter Mariana Janjácomo