A uma semana do fim do prazo, plano de repatriação de recursos corre risco de fracassar

  • Por Jovem Pan
  • 24/07/2017 06h23 - Atualizado em 24/07/2017 08h37

Rebaixamento de nota vai afetar diretamente o dia a dia do brasileiro

Fotos Públicas A meta é arrecadar cerca de R$ 3 bilhões, mas até o último balanço na semana passada, a previsão de arrecadação era de apenas R$ 800 milhões

Enquanto o Governo recebe críticas por ter aumentado o imposto sobre os combustíveis no País, a equipe econômica corre o risco de ver o fracasso do novo programa de repatriação de recursos não declarados no exterior.

A meta é arrecadar cerca de R$ 3 bilhões. Até o último balanço na semana passada, a previsão de arrecadação era de apenas R$ 800 milhões, sendo que o prazo termina no próximo dia 31. Vale ressaltar que nem esses R$ 800 milhões estão garantidos, uma vez que apesar das declarações já terem sido entregues, nem todos os contribuintes fizeram o pagamento do imposto e da multa.

A Receita Federal já avisou que só espera o fim do prazo para ir atrás de cerca de dois mil contribuintes brasileiras que têm imóveis em Miami e que não foram declarados ao imposto de renda.

O ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, informou na semana passada que o governo ainda conta com uma possível arrecadação de R$ 13 bilhões do Novo Refis, programa de refinanciamento de dívidas. O problema é que a proposta foi alterada pela Câmara e com isso a previsão de arrecadação não chega nem a R$ 1 bilhão.

Se as mudanças forem realmente confirmadas pelo congresso, a equipe econômica já avisou que vai recomendar o veto ao presidente Michel Temer.

Na semana passada, até o presidente da Câmara, o deputado Rodrigo Maia, admitiu que não seria a hora de beneficiar dessa maneira quem deixou de pagar impostos.

O Congresso ainda está em recesso. Só retorna ao trabalho na semana que vem. Até lá, o presidente Michel Temer pretende continuar recebendo parlamentares em busca de apoio como o deputado Wladimir Costa (SD-PA): “o ser humano vive de oportunidades. Não vamos ser egoístas. Vou pedir emenda, ônibus, ambulância, trator, vou pedir dinheiro para recursos, construção de creches, hospitais. A lista aqui é grande”.

O Governo quer apoio para barrar a denúncia contra o presidente na Câmara e fala em voltar a discutir a reforma da Previdência.

*Informações da repórter Luciana Verdolin