União e Governo de Roraima seguem sem acordo por crise com venezuelanos

  • Por Jovem Pan
  • 09/06/2018 08h43 - Atualizado em 09/06/2018 10h19
ACNUR/Boris HegerMias de 60 mil venezuelanos chegaram à Roraima desde os últimos três anos

Em uma segunda reunião de conciliação no STF, o Governo Federal e o de Roraima continuam sem chegar a um acordo sobre a crise dos venezuelanos no estado. Nos últimos três anos, mais de 60 mil imigrantes chegaram fugindo da crise humanitária no país vizinho.

O estado vem sofrendo para arcar com o aumento da demanda por serviço público. Na primeira audiência, em maio, Roraima pediu um aporte de R$ 184 milhões da União, o que foi negado. Na última sexta-feira (8), o estado esperava ouvir uma contraproposta para que se chegasse a um consenso, mas isso não aconteceu.

O Procurador-Geral de Roraima Aurélio Cantuária, que estava representando o estado, saiu frustrado. Outro pedido inicial do governo roraimense, o fechamento da fronteira com a Venezuela, está praticamente fora da pauta. A União já reafirmou diversas vezes que essa chance não existe.

O Advogado Beto Vasconcelos, que participou da audiência representando a ONG Conectas como parte interessada na ação, explica o porquê. Organizações de direitos humanos propuseram que o Supremo faça uma inspeção judicial em Roraima para verificar a situação crítica do estado, de modo a agilizar um acordo entre as partes.

*Com informações do repórter Levy Guimarães