Universidades paulistas perdem recursos com a queda de arrecadação do ICMS

  • Por Jovem Pan
  • 06/05/2020 06h21 - Atualizado em 06/05/2020 07h54
Thomaz Marostegan/UnicampNa Universidade Estadual de Campinas, por exemplo, o ICMS é a principal fonte de recursos, mas o recolhimento do tributo está prejudicado pela quarentena

A queda na arrecadação do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) no Estado de São Paulo impacta diretamente as contas das universidades públicas.

Na Universidade Estadual de Campinas, por exemplo, o ICMS é a principal fonte de recursos, mas o recolhimento do tributo está prejudicado pela quarentena imposta pelo novo coronavírus.

Além disso, de acordo com o economista Gilberto Braga, os repasses são ainda menores uma vez que o governo precisa destinar os tributos que vem recebendo para o combate à doença.

O reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, explica que o orçamento para 2020 já era pequeno. Cerca de R$ 2,5 bilhões eram esperados neste ano, no entanto, mais do que este valor, R$ 2,7 bilhões já estavam comprometidos com despesas.

Além da defasagem inicial no orçamento, Knobel disse esperar uma redução da receita de até R$ 220 milhões com a crise da covid-19. Por isso, o reitor destaca que a universidade apresentou um plano de contingenciamento de gastos.

Segundo Marcelo Knobel, grande parte do dinheiro destinado à universidade vai direto para o Hospital das Clínicas da Unicamp, que trata pacientes com coronavírus. O HC da universidade destinou 40 leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) apenas para infectados com a doença e vai atender pacientes transferidos de outras regiões.

Além da Unicamp, a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) também direcionaram suas estruturas de saúde para atendimento e pesquisa sobre a pandemia do novo coronavírus.

*Com informações da repórter Beatriz Manfredini