Vacinação contra sarampo e pólio avança em SP, mas muitas crianças ainda precisam receber doses

  • 11/08/2018 13h53 - Atualizado em 11/08/2018 13h54
Arquivo/Agência BrasilTodas as crianças até 4 anos devem ser vacinadas

Segue em andamento em todo o Brasil a campanha de vacinação contra o sarampo e a paralisia infantil. Em São Paulo, a primeira semana da campanha foi bem sucedida: mais de 262 mil vacinas foram aplicadas (132 mil doses contra a poliomielite e 129 mil da tríplice viral, a vacina que protege contra a varíola, sarampo e rubéola).

A Jovem Pan conversou com Maria Lígia Nerger, coordenadora do Programa Municipal de Imunizações da Prefeitura de São Paulo. “Houve uma adesão considerável, mas ainda precisamos vacinar, para chegar à meta mínima de 95% de cobertura, mais de 560 mil crianças na faixa etária de 1 a 4 anos de idade”, ponderou Nerger.

A campanha ficará em voga por mais três semanas, até 30 de agosto. E no próximo sábado, 18, está programado o chamado “Dia D”, em que os postos ficarão abertos numa mobilização nacional, das 8h às 17h. Durante os dias úteis, as salas de vacina ficam abertas durante o período de funcionamento da unidade.

A decisão de convocar todas as crianças para os postos foi devido ao risco de alastramento das doenças, que foram notificada nas regiões norte, nordeste e em outros países.

“A polio existe ainda em outros países e há o risco de reintrodução da paralisia infantil”, alertou a médica, que lembra que não há notificações de casos no Brasil desde 1989.

“Como a cobertura vacinal estava baixa e com índices muito diferentes em todo o País, o Ministério da Saúde programou essa campanha”, explicou.

Apenas as crianças até quatro anos estão recebendo vacinação indiscriminada, explicou Nerger. Para crianças cima de cinco anos, é verificada a carteira de vacinação. Mesmo se a pessoa já teve sarampo, recomenda-se a aplicação da tríplice viral, uma vez que a dose protege contra outras duas doenças.

Ouça a entrevista completa ao repórter Victor Brown: