Vendas de rua têm alta após retomada, aponta Associação Comercial de São Paulo

De acordo com estudo, as vendas na primeira quinzena de julho aumentaram quase 20% em relação ao mês passado

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2020 08h46
ROBERTO GARDINALLI/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO Gigantes varejistas afirmam falam em demissões em massa caso governo não reedite novo programa de auxílio Comércio vem sendo retomado aos poucos em SP

Há pelo menos três meses, o empresário Jonas Nogueira não via o faturamento da loja dele sair do zero: “Ficamos 100 dias mais ou menos fechados. Faturamento zero. A galeria ficou mais de mês fechada. Tentamos fazer delivery, mas o pessoal estava meio inseguro e tal”. A situação, no entanto, tende a melhorar.  De acordo com estudo da Associação Comercial de São Paulo, as vendas na primeira quinzena de julho aumentaram quase 20% em relação ao mês passado.  Mas o movimento ainda é menor do que antes da pandemia.  “Muitas pessoas têm um pouco de medo por causa do vírus, mas, aos poucos, está caminhando. Mas nem se compara a antes, é algo como 30% do fluxo que tinha antes da pandemia”, analisou Jonas.

No entanto, em comparação a julho do ano passado, as vendas neste ano foram bem menores e representam uma queda de quase 60%. Os pagamentos à vista caíram ainda mais, em cerca de 76%. Segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo, além da pandemia do coronavírus, esse cenário se deve à perda do poder de compra dos consumidores. ” Em parte isso se deve a que há uma certa cautela dos consumidores e em parte reflete a perda de renda que praticamente toda população teve. Os informais, carteira assinada, os liberais, empresários.”

Atualmente, a capital paulista se encontra na fase amarela do Plano São Paulo. Assim, estão autorizados a abrir, com restrições, o comércio de rua, shoppings, bares e restaurantes, salões de beleza, academias e algumas atividades culturais.

*Com informações do repórter Leonardo Martins