Vendas de rua têm alta após retomada, aponta Associação Comercial de São Paulo

De acordo com estudo, as vendas na primeira quinzena de julho aumentaram quase 20% em relação ao mês passado

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2020 08h46
ROBERTO GARDINALLI/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOComércio vem sendo retomado aos poucos em SP

Há pelo menos três meses, o empresário Jonas Nogueira não via o faturamento da loja dele sair do zero: “Ficamos 100 dias mais ou menos fechados. Faturamento zero. A galeria ficou mais de mês fechada. Tentamos fazer delivery, mas o pessoal estava meio inseguro e tal”. A situação, no entanto, tende a melhorar.  De acordo com estudo da Associação Comercial de São Paulo, as vendas na primeira quinzena de julho aumentaram quase 20% em relação ao mês passado.  Mas o movimento ainda é menor do que antes da pandemia.  “Muitas pessoas têm um pouco de medo por causa do vírus, mas, aos poucos, está caminhando. Mas nem se compara a antes, é algo como 30% do fluxo que tinha antes da pandemia”, analisou Jonas.

No entanto, em comparação a julho do ano passado, as vendas neste ano foram bem menores e representam uma queda de quase 60%. Os pagamentos à vista caíram ainda mais, em cerca de 76%. Segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo, além da pandemia do coronavírus, esse cenário se deve à perda do poder de compra dos consumidores. ” Em parte isso se deve a que há uma certa cautela dos consumidores e em parte reflete a perda de renda que praticamente toda população teve. Os informais, carteira assinada, os liberais, empresários.”

Atualmente, a capital paulista se encontra na fase amarela do Plano São Paulo. Assim, estão autorizados a abrir, com restrições, o comércio de rua, shoppings, bares e restaurantes, salões de beleza, academias e algumas atividades culturais.

*Com informações do repórter Leonardo Martins