Vera Magalhães: Briga entre olavistas e militares se agrava e desgasta o Governo

  • Por Jovem Pan
  • 07/05/2019 07h58 - Atualizado em 07/05/2019 08h29
Marcelo Camargo/Agência BrasilVillas Bôas não é alguém que se possa atacar sem que todas as Forças Armadas saiam em sua defesa

A crise iniciada no fim de semana entre olavistas e militares cresceu nesta segunda-feira (06) e não há sinais de resoluções. O presidente Jair Bolsonaro tentou colocar panos quentes na situação e disse que o general Santos Cruz não vai deixar o cargo e que não há esta divisão no Governo.

O general Eduardo Villas Bôas se manifestou em seu Twitter contra Olavo de Carvalho e nesta terça-feira (07) concedeu entrevista ao Estadão em que detalhou a  críticas e disse que o “guru” de Bolsonaro “presta um desserviço ao país”. Por sua vez, Olavo de Carvalho disse que o ex-comandante do Exército é um “doente numa cadeira de rodas”.

Villas Bôas tem sua importância na caminhada de Jair Bolsonaro à Presidência e para o Brasil. Ele tem o respeito do presidente da República. Não há mais limites nos ataques exaltados que o guru do bolsonarismo vem fazendo. Villas Bôas não é alguém que se possa atacar sem que todas as Forças Armadas saiam em sua defesa.

O mesmo vale aos seus seguidores. Não adianta inflamar as redes sociais, porque isso contribui para o desgaste do Governo. Estão sendo desgastadas pessoas caras ao presidente e próximas a ele.

Disputa por poder

Por trás destas ofensas está uma disputa de poder e verbas. Quando o Governo foi formado, foi composto por militares em todos os escalões, e os “olavetes” ocuparam postos não tão estratégicos no segundo escalão, mas fizeram bastante barulho.

Nestes pontos começaram a entrar em conflito com os militares. No Palácio do Planalto, os “olavetes” tentaram espaço na Secretaria de Comunicação do Governo, que está sob o guarda-chuva de general Santos Cruz.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: