Violência sectária na Índia avança e governo apela por paz

  • Por Jovem Pan
  • 27/02/2020 06h30
EFEA origem do conflito está na aprovação de uma lei em dezembro, que concede cidadania a refugiados de todas as principais religiões do sul da Ásia

Os violentos confrontos entre hindus e muçulmanos prosseguem na Índia. O número de mortos não para de crescer e os feridos na capital, Nova Delhi, já passam de 200. Muitos chegaram a saltar de prédios altos para escapar de gangues violentas.

De acordo com a polícia indiana, 106 pessoas foram presas. A escalada da violência, inclusive, ofuscou a visita do presidente americano Donald Trump ao país nesta semana.

A origem do conflito está na aprovação de uma lei em dezembro, que concede cidadania a refugiados de todas as principais religiões do sul da Ásia, exceto muçulmanos.

No Twitter, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi pediu calma e paz à população.

O governo indiano é regido por um partido nacionalista hindu, que é acusado de menosprezar a parcela muçulmana do país. Cerca de 200 milhões de muçulmanos vivem na Índia

*Com informações do repórter Leonardo Martins