Weintraub: Gratuitas, carteirinhas estudantis digitais serão lançadas na segunda-feira

  • Por Jovem Pan
  • 22/11/2019 09h56
ESTADÃO CONTEÚDOSegundo o ministro, medida acabará com a "máfia" da União Nacional dos Estudantes (UNE)

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou, nesta sexta-feira (22), em entrevista ao Jornal da Manhã, que o lançamento da ID Estudantil – carteirinha digital e gratuita do Ministério da Educação (MEC) – acontecerá na próxima segunda-feira (25).  O documento permitirá o pagamento de meia-entrada em shows, teatros e outros eventos culturais, sem que isso gere um custo extra, como acontece hoje.

“Na segunda-feira, teremos o lançamento digital do ID Estudantil, que é o aplicativo de celular para ter a carteirinha digital. Os estudantes que tiverem sido cadastrados pela instituição de ensino já vão poder acessá-la a partir dessa data. Para quem não tiver sido cadastrado, o estudante só precisa pressionar a escola para efetuá-lo”, disse.

Segundo Weintraub, a possibilidade de usar as carteirinhas digitais – que poderão ser acessadas através de um aplicativo disponível nas lojas Google Play e Apple Store – vai fazer com que os estudantes economizem cerca de R$ 50 ao ano, atualmente pagos para a União Nacional dos Estudantes (UNE) para a emissão da carteirinha física.

“Porque algumas pessoas são contra a carteirinha digital? Porque a UNE ganha R$ 500 milhões por ano fazendo isso. A gente vai quebrar mais uma das máfias do Brasil, tirar R$ 500 milhões das mãos da tigrada da UNE. Esse dinheiro vem do povo, que paga R$ 50 na carteirinha todo ano”, afirmou.

De acordo com o MEC, aqueles que desejarem o documento físico não ficarão desamparados, já que a pasta vai firmar um contrato com a Caixa Econômica Federal para emissão gratuita ao estudante da ID Estudantil física.

Escolas cívico-militares

Sobre as 54 escolas públicas selecionadas para o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares em 2020 – 38 estaduais e 16 municipais, localizadas em 23 estados e no Distrito Federal -, o ministro se mostrou otimista. De acordo com ele, apesar de serem diferentes das escolas militares, das Forças Armadas, que tem “nível de excelência”, as escolas cívico-militares trarão resultados também muito bons.

“As escolas militares no Brasil, das Forças Armadas, são excelentes, tem resultados maravilhosos, iguais aos das melhores escolas da Austrália, dos Estados Unidos. Só que a escola militar é muito cara, não temos como militarizar todas. Então, quando fazemos essa mistura, metade civil e metade militar, a gente consegue dividir o custo dramaticamente e o resultado quase atinge aos da militar. Não fica tão bom, mas muito próximo, em 70%.”

“Então a relação custo-benefício é muito boa, mas não vamos conseguir universalizar, porque uma parcel da população não vai querer – cerca de 90% das pessoas aprovam, segundo as pesquisas. Mas vamos colocar em larga escala, se o piloto de um ano com as 54 escolhidas der certo. A gente quer colocar no Brasil todo”, declarou.

Para Weintraub, as escolas cívicos militares tem “menos violência e mais empenho e disciplina”, o que faz com que todo o cenário estudantil “melhore rapidamente”.