Weintraub discute com deputados sobre plantação de drogas em universidades

  • Por Jovem Pan
  • 12/12/2019 07h05 - Atualizado em 12/12/2019 12h11
Marcelo Camargo/Agência BrasilA fala do ministro foi interrompida por uma manifestação da UNE (União Nacional dos Estudantes)

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, esteve, nesta quarta-feira (11), na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados para dar explicações sobre as declarações de que existem “plantações extensivas” de maconha em universidades federais. Durante a audiência, ele mostrou aos deputados trechos de reportagens e vídeos encontrados na Internet que comprovariam as acusações.

Enquanto era exibida uma matéria sobre estudantes que foram presos em 2017 por plantar maconha na Universidade de Brasília, parlamentares da oposição passaram a fazer comentários e houve bate-boca com o ministro.

“Eu peço para levar com seriedade esse assunto, porque tem um monte de vidas que são destruídas com isso. Antes de fazer comentário engraçadinho, levar a sério. Eu não fiz aqui para ficar com palhaçada”, disse Weintraub, enquanto parlamentares o questionavam sobre os “39 kg de cocaína” encontrados em um avião das Forças Aéreas Brasileiras (FAB).

Durante a confusão, o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), pediu a palavra e prometeu se retirar. “É um desrespeito tão profundo com a educação que eu estou retirando, porque tenho mais o que fazer da minha vida do que ouvir o ministro falar sobre isso. É muito grave”, declarou, sob aplausos.

O ministro respondeu. “Inclusive, eu convidei o senhor várias vezes para ir ao MEC [Ministério da Educação]. Várias vezes. Não foi para a minha casa, foi para o MEC, para discutir educação”, disse.

Na retomada da apresentação, Weintraub mostrou mais reportagens. “Drogas sintéticas agora. Olha o ambiente, olha o ambiente dentro de uma universidade federal. Dentro da universidade. Olha o ambiente, olha a pichação, olha o patrimônio público como está”, criticou.

Depois de exibir os vídeos, o ministro trouxe reportagens publicadas em sites de notícias e leu alguns trechos. Na sequência, defendeu atuação policial nas universidades. “Eu sou a favor da autonomia universitária para pesquisa, para ensino. Pode ensinar o que quiser. Pode falar de Karl Marx, não tem problema. Agora, a PM tem que entrar nos campi”, disse.

A audiência chegou a ser suspensa por alguns minutos depois que manifestantes da UNE (União Nacional dos Estudantes) entraram na comissão. Weintraub reiterou que, em nenhum momento, fez acusações aos reitores e disse que apenas mostrou o cenário dramático das universidades.

*Com informações do repórter Vitor Brown