Delator implica ex-PM e ex-bombeiro no caso Marielle

  • 24/07/2018 15h16 - Atualizado em 24/07/2018 15h17
Reprodução-Globo NewsCarro perseguiu veículo onde estavam Marielle e seus assessores no Rio em 14 de março

Um delator implicou o ex-policial Alan de Morais Nogueira, conhecido como Cachorro Louco, e o ex-bombeiro Luís Cláudio Barbosa como participantes do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. Eles foram presos nesta terça (24) por outro caso de duplo assassinato na baixada fluminense.

Nogueira e Barbosa são apontados como integrantes do grupo do miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando da Curicica. As defesas dos acusados negam que eles tenham sido pistoleiros da milícia.

A informação sobre o envolvimento de Nogueira no crime partiu do mesmo delator que apontou que ele estava no carro dos assassinos da vereadora. O delator está em um programa de proteção à testemunha.

“O caso Marielle está sob sigilo, não está sob minha responsabilidade. Mas essa mesma testemunha que deu início às investigações que culminaram nas duas prisões de hoje, também colocou os dois presos no caso Marielle. O teor dessa participação, de que forma teriam atuado, ainda está sob investigação. Eles serão ouvidos no caso Marielle e a gente espera que dali também possa surgir uma linha no caso Marielle”, disse o delegado Willians Batista, da Divisão de Homicídios, ao site G1.

“É prematuro para mim dizer se estavam no carro mas foi apontado que de alguma maneira tinham participado do caso. Os dois teriam participado do caso Marielle. Eles foram apontados como membros da organização”, afirmou Batista.

O outro caso

Nogueira e Cachorro Louco são acusados de participar dos homicídios de um PM e um ex-PM em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em fevereiro de 2017, a mando de Orlando da Curicica.