Prefeitura de São Paulo lança aplicativo para “consolidar” combate ao crack

  • Por Jovem Pan
  • 23/08/2017 15h21
23 05 2017 Sao Paulo SP Brasil - Com a retirada do viciados em crack da região da Luz centro . Outros locais como Praça Princesa Isabel é a nova" Cracolandia" com centenas de usuarios de droga na cidade e tamebém em outros locais do centro. Foto Alan White/Fotos PublicasO desenvolvedor do aplicativo, Hugo Yang, disse que ele não foi projetado para ser utilizado diretamente pelos dependentes químicos. De acordo com ele, o programa está voltado principalmente para os trabalhadores da assistência social e para a população em geral

A Prefeitura de São Paulo lançou nesta quarta-feira (23) um aplicativo do “Projeto Redenção”, que já está disponível para IOS e Android, que tem como objetivo consolidar o esforço feito no combate contra o crack. O app reúne o mapa de atendimento na cidade, perguntas e respostas sobre o projeto, o balanço dos atendimentos realizados até o momento e também um link do projeto “Mãe da Luz”, que reúne fotos de pessoas desaparecidas.

Apesar da boa iniciativa, todos os serviços informados no aplicativo são da Prefeitura, o que vai de encontro com a preocupação do Projeto Redenção, que é mostrar uma ação integrada junto ao Governo. Mas não é possível encontrar serviços do Estado no app.

O prefeito João Doria admitiu a falta de recursos do governo e prometeu uma atualização em breve. “É importante fazer essa integração. E o governo do Estado participa conosco e continuará participando. Vamos incorporar isso de imediato”, afirmou.

O desenvolvedor do aplicativo, Hugo Yang, disse que ele não foi projetado para ser utilizado diretamente pelos dependentes químicos. De acordo com ele, o programa está voltado principalmente para os trabalhadores da assistência social e para a população em geral.

“O principal intuito do aplicativo, de fato, não são os dependentes. De fato, é a população. Muito mais pra apoiar todos os agentes que estão ao redor de todo o projeto que vão poder apoiar os dependentes”, explicou.

A Prefeitura afirma ainda que o desenvolvimento do projeto foi feito sem custos para os cofres públicos.

A administração municipal estima que as oitenta horas de trabalho empregadas pela empresa equivalem a trinta mil reais que teriam sido economizados.