Resultados negativos na indústria devem ficar para trás, diz economista da CNI

  • 01/02/2018 16h25 - Atualizado em 01/02/2018 16h26
Pedro Revillion/ Palácio PiratiniMarcelo Azevedo alertou que ainda há muitas máquinas paradas e contratações para que elas sejam reutilizadas dependem de um eventual aumento de demanda.

Marcelo Azevedo, economista da Confederação Nacional da Indústria (CNI), avaliou os números da produção industrial em 2017, divulgados nesta quinta-feira (1º) pelo IBGE.

“A partir do segundo semestre do ano passado, passamos a ter esses índices caminhando no campo positivo, ainda lentamente. O resultado do ano ainda é negativo, mas temos uma recuperação”, disse Azevedo.

Problemas com o custo de matérias-prima têm ganhado importância à medida em que a economia volta a reaquecer, disse o economista.

O economista da CNI falou também sobre os números do emprego na indústria. Ele alertou que ainda há muitas máquinas paradas e contratações para que elas sejam reutilizadas dependem de um eventual aumento de demanda.

Azevedo diz esperar que 2018 seja melhor que 2017. “Os resultados negativos devem ficar para trás”, disse, esperando que aumentem os investimentos.

Confira a entrevista completa a partir do minuto 37 do programa Jornal Jovem Pan: