Sarampo importado da Venezuela está sob controle, diz ministro da Saúde

  • Por Jovem Pan
  • 08/03/2018 17h40
Cleia Viana/Câmara dos DeputadosMinistro da Saúde, Ricardo Barros, afirma que determinou a vacinação de 400 mil pessoas para bloquear o avanço do Sarampo

O ministro da Saúde Ricardo Barros descartou nesta quinta-feira (8) que haja um surto de sarampo em Roraima, que recebe refugiados venezuelanos.

Barros reconheceu, no entanto, que o Brasil já havia erradicado a doença. O ministro informou que há 30 casos suspeitos, seis investigados e uma morte confirmada por sarampo.

“Determinamos a vacinação de 400 mil pessoas para que a gente possa bloquear essa possibilidade de o sarampo tornar. Há dois anos nós declaramos a eliminação do sarampo e agora estamos com esses casos importados da Venezuela”, disse.

O ministro disse que a situação “não” é preocupante, “porque está sob controle, as medidas estão tomadas e todos os casos identificados foram casos importados da Venezuela”.

Em relação à febre amarela, a busca pela vacina diminuiu e gera preocupação.

“O problema da febre amarela é que, como todos os anos, nas primeiras notícias o pessoal corre para as unidades de saúde, depois percebe que o risco é relativo e acabam deixando de fazer a sua vacinação”, lamentou o ministro, que garantiu que a campanha continua e os prazos serão estendidos nos Estados.

“Nós vamos manter a vacinação. Os Estados estão prorrogando a campanha e nós vamos buscar alcançar os 90%, 95% de cobertura nas áreas que foram recomendadas pelos Estados”, garantiu.

No evento em São Paulo, Barros aproveitou o momento para fazer um balanço de sua gestão de dois anos à frente do ministério da Saúde. Ele irá deixar o ministério em abril para disputar as eleições deste ano. Questionado sobre o impacto no governo da reforma ministerial, Barros avaliou que caberá ao presidente Michel Temer manter a estrutura ou reformá-la dentro do campo político do governo.

Veja, com informações de Marcelo Mattos: