Diferença entre juro cobrado pelo banco obstrui o crescimento, diz economista

  • Por Jovem Pan
  • 07/05/2018 15h33 - Atualizado em 07/05/2018 15h43
Marcos Santos/USP"O passo além é atacar definitivamente a questão do spread", enfatizou o economista, pedindo a queda do valor "de uma forma mais definitiva"

O economista Sérgio Vale, da MB Associados, falou ao Jornal Jovem Pan sobre os números do relatório Focus desta segunda (7), que apontaram nova queda na previsão do PIB para 2018.

Vale destaca a necessidade de “ter um ataque mais explícito em relação ao spread” bancário, que é a diferença da taxa de juros que o banco paga a quem deposita dinheiro e o quanto ele cobra de quem toma empréstimo na instituição financeira.

“A taxa de juros básico está caindo, mas o spread aumentou”, apontou. “O canal do crescimento está obstruído por conta de medidas que não foram tomadas pelo Congresso”, lamentou o economista, citando a questão do cadastro positivo.

“Todos os canais que a gente poderia ter para destravar esse crescimento não foram destravados completamente”, disse.

Sobre a queda nos juros, Vale lembra que a taxa de inflação no governo Dilma estava em 12%. “O passo além é atacar definitivamente a questão do spread”, enfatizou o economista, pedindo a queda do valor “de uma forma mais definitiva”.

Sobre o ritmo da economia, Vale apontou que “a gente teve surpresas negativas em fevereiro e março, mas parece que em abril teremos um fôlego”.

Ele ressalta que “a crise foi profunda e é normal o processo de saída ser lento”.