Demitido da CNN, Leandro Narloch diz ser contra ‘jornalismo lição de moral’: ‘Fui vítima’

Em entrevista ao Morning Show, ex-comentarista da CNN Brasil se disse vítima da ‘cultura do cancelamento’

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2020 11h16 - Atualizado em 13/07/2020 13h03
ReproduçãoLeandro Narloch foi demitido da CNN Brasil na última sexta-feira (10) após polêmico comentário sobre doação de sangue por gays

O jornalista Leandro Narloch disse que entende a decisão da CNN Brasil em rescindir seu contrato na última sexta-feira (10) após uma fala polêmica sobre doação de sangue por gays, mas se posicionou contra o que ele chamou de “jornalismo lição de moral”.

Em entrevista ao Morning Show, Narloch disse que foi vítima da “cultura do cancelamento”. “É uma intolerância, um linchamento virtual, a ideia de linchar qualquer pessoa que discorda de termos e acho que sim, fui um pouco vítima disso na semana passada”, disse.

O jornalista afirmou que há um padrão em jornais da TV brasileira para se posicionar a favor de pautas sobre minorias. “Parece que estão pagando pedágio. Eu não gosto muito desse ‘jornalismo lição de moral’. Sempre que vejo o William Bonner parece que ele está querendo me fazer uma pessoa melhor e, se eu quisesse isso, iria para a igreja.”

Narloch admitiu que gostaria de ter se expressado melhor em sua fala sobre relacionar homossexuais com promiscuidade e HIV, embora defenda que ela não estivesse errada. “Acho que meu comentário poderia ter sido mais preciso, como comunicador preciso me preocupar não só com o que digo, mas como as pessoas recebem. Poderia ter antecipado essa reação”.

O ex-comentarista da CNN ainda deu um panorama da redação da antiga emissora. “Existe dos chefes um esforço para que se tenha um equilíbrio, um esforço para a diversidade [de ideias], mas no baixo clero, os jornalistas iniciantes, o problema não é nem ser de esquerda, é não conhecer os argumentos liberais”, concluiu.