Paulo Miklos e Maurício Eça afirmam que Carrossel 2 foi um desafio: “mais ágil”

  • Por Jovem Pan
  • 30/06/2016 12h22
Jovem Pan

As férias de julho vão começar e as crianças de todo o Brasil poderão conferir o filme “Carrossel 2: O Sumiço de Maria Joaquina”, que estreia no próximo dia 7. O diretor Maurício Eça e o ator Paulo Miklos – que retorna para interpretar o vilão Gonzales – contaram ao Jovem Pan Morning Show desta quinta-feira (30) sobre os desafios em produzir a sequência. Segundo eles, o novo capítulo da franquia é uma aventura mais ágil, com relação ao seu antecessor.

“Foi um grande desafio (fazer o segundo filme), porque eles cresceram. Tem moleque que já está com 15 anos, tem mais cabelo debaixo do braço do que eu. Dessa vez fizemos uma aventura mais ágil, acontece muito mais coisas durante a trama. O primeiro posso dizer que é mais fofinho”, explicou Eça.

Com a evolução física de muitos dos atores, que começaram quando eram apenas crianças na novela do SBT, o diretor do filme pretende atingir um público mais velho com essa segunda produção de Carrossel. Eça e Miklos ressaltaram que a marca é um assunto universal, já que conta com versões desde os anos de 1980.

“Eu acho que Carrossel é um assunto universal. Todo mundo viveu esse conflito infanto juvenil. É uma coisa que todo mundo já viveu e é uma febre. Os fãs vão continuar amando o filme e nosso desafio é trazer um público um pouco mais velho”, comentou.

A dupla elogiou muito os jovens atores que integram o elenco do longa e também o “veterano” Oscar Filho, humorista que contracena diretamente com o vocalista dos Titãs. Miklos revelou que o ex-CQC levou uma grande alegria para o set de filmagens e que essa diversão retransmitia em todos os envolvidos.

“O Oscar fala mais nesse segundo filme e eles conseguirão uma química incrível”, disse Eça. “Nossa tabelinha foi muito boa. O Oscar tem essa verve do humor, da piada. Ele estava sempre me surpreendendo. Brincar com o outro é algo divertido e você transmite essa diversão”, concluiu o ator.