Juros do cartão de crédito e cheque especial voltam a bater recorde

  • Por Jovem Pan
  • 28/06/2016 12h26
Juros

 O Banco Central apontou que os juros do rotativo do cartão de crédito e do cheque especial voltaram a bater recorde em maio. A taxa média do rotativo ficou em 471,3 %, tratando-se da modalidade de crédito mais cara do mercado. Os juros do cheque especial bateram em 311,3%, o maior índice da série histórica iniciada em julho de 1994.

O vice-presidente da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Miguel Ribeiro de Oliveira, alerta que essa situação deve piorar ainda mais: “A tendência efetiva é essa inadimplência continuar subindo. (Nesse ambiente), inevitavelmente os bancos vão subir a taxa de juros”. A maior preocupação é com a inadimplência, já que o atraso de mais de 90 dias nos pagamentos atingiu 6,3% do crédito para pessoas físicas.

Em entrevista a Denise Campos de Toledo, o economista da Confederação Nacional do Comércio, Fábio Bentes, dá uma dica ao consumidor: “A saída de emergência para quem precisa de crédito sempre foi o crédito consignado. O problema é que o crédito consignado se esgotou praticamente, não restou alternativa ao consumidor senão evitar o endividamento no momento de exposição do orçamento, na crise que a gente passa”.

O relatório semanal Focus, do Banco Central, apontou que o mercado financeiro elevou a projeção da inflação do ano para 7,29%. A expectativa é que a taxa básica de juros, hoje em 14,25% ao ano, fique em 13,25% no final de 2016.