Líder do PSDB vê “pelo menos 36 votos” pró-impeachment e critica troca de cargos

  • Por Jovem Pan
  • 07/04/2016 09h12
Antônio Imbassahy

 Em entrevista à Jovem Pan, o líder do PSDB na Câmara, Antônio Imbassahy, contou que existem rumores de que Lula está em um quarto de hotel, com câmeras vedadas, negociando cargos e dinheiro por votos contra o impeachment: “É uma vergonha, o ex-presidente Lula está instalado em um hotel, nós soubemos que as câmeras internas do hotel, em um determinado trajeto, foram desligadas, vedadas para não se permitir saber o que está acontecendo direito. (…) Novos crimes poderiam estar sendo cometidos. Não tenho condições de comprovar, mas o que circula na Câmara é que as leis dos cargos, educação, saúde, estão entregando tudo, a qualquer deputado. (…) O governo não tem dinheiro para fazer as coisas básicas para atender a população, mas tem dinheiro para dar para esse tipo de expediente”.

Imbassahy compara a situação com o impeachment de Collor em 1992, onde também ocorreu a negociação de cargos. O deputado afirma que o PT, que pedia a saída de Collor na época, estaria praticando os mesmos métodos.

Com a apresentação do relatório de Jovair Arantes na comissão especial de impeachment, Imbassahy se mostra otimista em relação ao avanço do processo: “O relatório do Jovair foi muito bem fundamentado e aponta claramente que Dilma cometeu crime de responsabilidade”. O deputado acredita que serão pelo menos 36 votos favoráveis à abertura do processo de impeachment dentro da comissão composta por 65 membros.

O deputado explica que independente do voto da comissão que será realizado na segunda (11), o relatório será encaminhado ao plenário: “Tenho a impressão de que ele vai ser aprovado, e sendo aprovado, vai impulsionar mais ainda a possibilidade de impeachment. Vai ser um fato positivo, vai comover ainda mais a sociedade brasileira e vai repercutir na Câmara. (…) Mesmo se o parecer for reprovado na segunda pela comissão, o que eu tenho certeza que não vai, ainda assim ele vai ao plenário. O plenário é soberano para a tomada de decisão”.