Líder do Vem Pra Rua convoca manifestação para domingo (21)

  • Por Jovem Pan
  • 18/05/2017 08h35
BRA109. SAO PAULO (BRASIL),27/11/2016.- Un manifestante participa en una protesta de los movimientos sociales contra el gobierno del presidente brasileño Michel Temer hoy, domingo 27 de noviembre de 2016, en Sao Paulo (Brasil). EFE/FERNANDO BIZERRA JR.Manifestante pede "Fora Temer" na Avenida Paulista

Diante dos últimos acontecimentos envolvendo o presidente da República, Michel Temer, e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), o movimento Vem Pra Rua marcou manifestação para este domingo (21) em todo o País.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o líder do Vem Pra Rua, Rogério Chequer, disse que a manifestação pedirá a prisão de Lula, prisão de Dilma, Temer e Aécio, caso as denúncias sejam confirmadas. “Quem estiver alinhado com essa pauta é quem vai participar desse protesto”.

Chequer defendeu que seja investigado o envolvimento de Temer em um “cala-boca” ao ex-deputado Eduardo Cunha. “Estamos defendendo seu afastamento e precisamos esperar o conteúdo exato dos áudios. Ao que tudo indica eles são procedentes, dado o que se segue com ações sobre Aécio Neves, Andrea Neves. Parece que a coisa é grave. Dado o fato de que Temer não veio à público negar, isso os leva a conclusão de que algo grave aconteceu. Qualquer ato em desacordo com a Constituição deve ser investigado, deve ser penalizado, se se confirmando as suspeitas, Temer deve renunciar, e é isso que o Vem Pra Rua está pedindo”, explicou.

O movimento planeja a manifestação neste domingo (21), às 14h, na Avenida Paulista, palco de grandes manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff. “Estamos acionando outras cidades. Deve ter manifestações em todas as capitais. Não tivemos condições de falar com outros movimentos, mas vamos tentar coordenar”.

Questionado se o Vem Pra Rua pediria a antecipação de eleições ou as eleições indiretas, em caso de renúncia ou impeachment de Temer, Chequer foi enfático: “seguiremos a mesma linha de sempre, que é a constitucional. Não é o que desejamos, é o que a Constituição manda. Eleições em 30 dias de forma indireta. Estamos defendendo transição constitucional, da mesma forma que foi o impeachment. Só esperamos que não precisamos recorrer ao impeachment. Esperamos que o presidente renuncie”.

Confira a entrevista completa: