Londres segue à busca de vítimas e evidências sobre causa de incêndio

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan Londres
  • 15/06/2017 09h54 - Atualizado em 29/06/2017 00h27
ARA08 LONDRES (REINO UNIDO), 15/06/2017.- Mensajes de condolencia junto a la Grenfell Tower, en la que el miércoles se originó un el devastador incendio en el que al menos doce personas murieron, en el barrio de North Kensington de Londres, Reino Unido, hoy, 15 de junio de 2017. La Brigada de Bomberos de Londres admitió hoy que "desconoce" el número de desaparecidos por el incendio y recalcó que no espera encontrar a nadie más con vida en el edificio. EFE/ANDY RAINMensagens de condolência junto à Grenfell Tower

Os bombeiros de Londres ainda trabalham nas cinzas da Grenfell Tower, a torre de apartamentos que ficou completamente destruída nesta quarta-feira após um incêndio. Não existe a esperança de encontrar alguém com vida. As equipes buscam corpos de vítimas, já que muitas pessoas que moravam no prédio permanecem desaparecidas.

E também estão atrás de evidências que indiquem o que levou a um incêndio tão devastador com mais de uma dezena de mortos. A suspeita mais forte neste momento é que um revestimento chamado de cladding, aplicado em 2015 na Grenfell Tower, tenha contribuído para a tragédia.

O cladding é feito de placas de alumínio com um preenchimento de plástico e é utilizado para modernizar a fachada de edifícios antigos, além de fornecer isolamento térmico.

O uso do material, no entanto, já foi relacionado a incêndios em outros países. Por enquanto, essa é apenas uma suspeita, sem conclusões oficiais. Mas a especulação é de que o revestimento teria contribuído para alastrar as chamas por todo o edifício rapidamente.

E essa rapidez do fogo aliada a a uma política de combate a incêndios aqui da Inglaterra foi fatal nesta tragédia. Os moradores do prédio na região de Notting Hill eram alertados a não saírem de seus apartamentos em caso de incêndio.

Essa é uma recomendação comum para moradores de torres altas aqui na Inglaterra. A justificativa é de que os prédios são projetados para que o fogo não se alastre. Dessa forma, as escadas devem ficar livres para a entrada das equipes de emergência e evacuação apenas dos mais afetados pelo incêndio.

Só que na tragédia de ontem não foi o caso. Então essa determinação de recomendar que os moradores fiquem em seus apartamentos também está sendo questionada por aqui.

Mas ainda é cedo para chegar a qualquer conclusão. As investigações ainda serão feitas em detalhes para definir o que deve ser feito daqui pra frente para evitar novas tragédias.