Ministro afirma que Eduardo Cardozo “passou todos os limites razoáveis”

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2016 08h58
Brasília - O ministro Gilmar Mendes foi eleito hoje (7) o próximo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Ele vai substituir o atual presidente, Dias Toffoli, a partir de maio (José Cruz/Agência Brasil)Gilmar Mendes

 O ministro do STF, Gilmar Mendes, em entrevista à Jovem Pan, comentou as ações do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, as quais chamou de “ato circense”: “Fiquei pasmo com essa decisão e com os detalhes da revelação, da participação do advogado da AGU e a participação da própria assessoria da Câmara. É um ato circense, mais uma operação tabajara”. O ministro afirmou que “qualquer pessoa que passeou pelo jardim de infância jurídica não se embrenharia por essas aventuras”, em referência a Maranhão.

O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, se encontrou duas vezes com Maranhão, antes da decisão de anular o impeachment. Gilmar Mendes criticou as ações do ex-ministro da Justiça: “Me parece que ele passou todos os limites razoáveis, participando de manobras, de chicanas. Dizem que ele seria autor do despacho e estaria participando de fraudes”.

Gilmar Mendes também citou a grande quantidade de jovens que vão às ruas e se mobilizam pro causas políticas. O ministro afirma que esse momento deve ser aproveitado para pedir reformas políticas: “Temos que fazer uma reforma política, os jovens que estão interessados. Os políticos tem que levar em conta esse fator da ruas, temos que melhorar os quadros políticos. Vemos manifestações em frente à Câmara e lamentamos, porque nós que contribuímos para aquele quadro, temos que rfeltrir. Não podemos negativar apenas, precisamos melhorar a política”.