Ministro da Saúde convoca população em luta contra Aedes aegypti

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2015 11h58
Aedes aegypti

 Ministério da Saúde avalia que combate ao Aedes aegypti que transmite zika, dengue e chikungunya não pode depender apenas do poder público. A caça aos criadouros do mosquito é apontada como um dos principais desafios, já que os agentes têm dificuldade para entrar nos imóveis. Até agora são 2.401 casos suspeitos de microcefalia e 134 já confirmados como tendo relação com o zika.

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirma que, sem a ajuda da população, a batalha contra o mosquito estará perdida: “80% dos criadouros estão dentro das casas. A pessoa dentro de casa tem o papel principal para resolver esse problema. E o que nós temos na mão no momento é só isso”. O ministro acrescenta que qualquer recipiente com água parada deve ser considerado um criadouro em potencial do mosquito.

O virologista do Instituto Evandro Chagas, no Pará, Pedro Vasconcelos, ressalta a Thiago Uberreich que a melhor recomendação é ter cautela: “Jovens que pensam em engravidar tem que ter cuidado e procurar evitar nesse momento. Se cada um de nós, junto com as esferas governamentais, fizer sua parte, nós teremos uma diminuição, um controle efetivo desse mosquito”. Pedro Vasconcelos destaca que existe cada vez mais risco de vírus vindos da Amazônia chegarem às grandes cidades. De acordo com ele, só com o desenvolvimento de vacinas será possível dar um passo importante na prevenção dessas doenças.