Ministro teme “surgimento de cadáver” com acirramento nas manifestações

  • Por Jovem Pan
  • 09/03/2016 07h38
Marco Aurélio Mello discursa em sessão do STF

 O ministro Marco Aurélio Mello afirmou que teme o acirramento nas manifestações, assim como o possível “surgimento de um cadáver”: “Receio um conflito, receio inclusive o surgimento de um cadáver. A história revela a que leva esse surgimento. As manifestações devem ocorrer porque estão no estado democrático de direito, mas que cada segmento tenha o seu dia. Não interessa ao povo brasileiro o conflito”. O ministro do Supremo Tribunal Federal cobra dos grupos pró e contra o governo providências para evitar que as manifestações ocorram no mesmo dia, hora e local.

O líder do governo na Câmara, José Guimarães, se reuniu com a presidente Dilma Rousseff e descartou a hipótese de que líderes petistas estariam incitando a violência no domingo (13/03): “Tem que ser encaradas com a mais absoluta normalidade. Não tem que ficar criando estresse e nem ir para o confronto. O País não quer o confronto, quer o diálogo, quer consenso naquilo que pode ser discutido em um momento como esse”.

Em entrevista à Jovem Pan, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin garantiu a segurança nas manifestações de domingo, e vetou a concentração dos apoiadores de Dilma Rousseff na Avenida Paulista, em razão do ato em favor do impeachment ter sido agendado há mais de um mês.