Moraes defende continuidade da Lava Jato mesmo com eleições municipais

  • Por Jovem Pan
  • 27/09/2016 06h50
Rio de Janeiro- RJ- Brasil- 21 de Julho de 2016 - O Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, durante a cerimônia de entrega do Complexo da Polícia Rodoviária Federal( PRF), para as Olimpíadas Rio 2016. Foto: Roberto Castro/ ME Roberto Castro/ME Alexandre de Moraes - Roberto Castro/ ME

O ministro da Justiça negou saber com antecedência de qualquer operação da Polícia Federal e defendeu que a Lava Jato não pare mesmo em semana de eleição.

Alexandre de Moraes disse em evento em São Paulo que a afirmação que gerou polêmica neste domingo (25) foi tirada de contexto e não se trata de um palpite, mas uma citação genérica.

Segundo o ministro, o jornalista que ouviu a conversa dele com integrantes do Movimento Brasil Livre neste final de semana em Ribeirão Preto publicou uma informação truncada.

“Foi uma afirmação genérica e eu diria, as operações vão continuar. Hoje houve operação, essa semana deve haver mais operações. Não foi palpite, foi afirmação. Houve operações e vai continuar tendo. O que ocorre é que o jornalista truncou conversa quase de 20 minutos que tive com movimentos. Ele truncou uma conversa que foi muito maior”, explicou.

A conversa ocorreu em um ato de campanha do deputado federal Duarte Nogueira, do PSDB. Lá, Moraes afirmou que uma nova etapa da Lava Jato ia ser deflagrada durante a semana. E nesta segunda-feira (26) a PF prendeu Antonio Palocci – ex-ministro de Lula e Dilma – em mais uma fase da operação em 7 Estados.

Segundo o ministro, as investigações não podem parar, nem por causa do calendário eleitoral: “vai parar agora por causa da eleição? Não é possível que você pare investigações em curso em virtude de eventos que ocorrem normalmente no Brasil”.

O delegado Igor Romário de Paula também rebateu as afirmações de que o Ministro da Justiça sabia antecipadamente da operação desta segunda-feira. “Somente as pessoas diretamente repsonsáveis pela investigação possuem conhecimento de seu conteúdo”, disse.

A senadora Vanessa Grazziotin protocolou na Comissão de Constituição e Justiça do Senado um requerimento para que o colegiado convoque Alexandre de Moraes para explicar a possível antecipação da Lava Jato.

Oposição entra com representação na PGR

Parlamentares da oposição entraram nesta segunda-feira (26) com uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. Os deputados e senadores do PT e do PCdoB pediram o afastamento cautelar do ministro por entenderem que Moraes violou o sigilo profissional do cargo.

De acordo com a petição, as declarações do ministro causam “embaraço às investigações”.

“A situação requer medidas de urgência, tanto com o fim de proteção da necessária imparcialidade que a operação exige quanto para evitar exploração eleitoral indevida, e acautelar a sociedade da repetição de condutas do ministro de Estado que, por si só, constituem crime de responsabilidade”, acrescentou o texto.

O pedido foi assinado pelos senadores Humberto Costa (PT-PE), Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Ângela Portela (PP-RR), Vanessa Grazziotin (PcdoB-AM), Fátima Bezerra (PT-RN), Jorge Vianna (PT-AC), José Pimentel (PT-CE), Paulo Paim (PT-RS), Regina Sousa (PT-PI) e Randolph Rodrigues (REDE-AP) e pelos deputados federais Jandira Feghali (PCdoB-RJ) e Afonso Florence (PT-BA).

*Informações da repórter Carolina Ercolin e de Agência Brasil