“Brasil é paraíso do terrorismo internacional”, diz tenente-coronel André Soares

  • Por Jovem Pan
  • 25/01/2016 14h45
Bruna Piva / Jovem Pan

Autor do livro “A Caixa Preta da Abin”, o tenente-coronel da reserva, André Soares é um dos oficiais mais graduados do Exército brasileiro em ações contra o terrorismo e faz diversas revelações surpreendes na obra.

“O Brasil é o paraíso do terrorismo internacional. Eu detesto dar más noticias, mas os nossos serviços secretos são uma grande caixa preta, a partir da Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Existe uma comunidade criminosa que comanda o serviço secreto a partir da Abin e eles estão completamente acima da lei aqui no Brasil. Se a Abin fizesse nos EUA, o que fazem aqui, estariam presos”, afirmou em entrevista ao Morning Show nesta segunda-feira (25).

Obrigado a participar de uma ação criminosa, ele garantiu que já recebeu diversas ameaças e que, inclusive, uma delas aconteceu dentro do órgão, contra a sua vida.

“Essa comunidade criminosa comete licitudes o tempo todo e utiliza os serviços secretos. E uma delas tem como alvo ou vítima, o Ministério Público. Não estou falando da pessoa do Sérgio Moro ou dos procuradores. Estou falando de uma ameaça contra a instituição. Ela já ocorreu no passado como nunca aconteceu no mundo. O supremo acha que essa perseguição acabou, mas não. Hoje é a operação mais hostil, mais agressiva”.

Com uma visão bem objetiva, na obra que foi escrita em parceria com o professor e jornalista da Jovem Pan, Cláudio Tognolli, André relata detalhes de diversas ações das quais participou e manda o recado: “Como a Abin está totalmente fora de controle, assim como os outros serviços secretos, ela só informa o que quer. Se o presidente acha que recebe todas as informações, está enganado”.

Eventos internacionais

Com a proximidade das Olímpiadas do Rio no meio deste ano, novamente a opinião pública se questiona se o país estaria preparado para um evento de tal dimensão, o oficial não considera possível um atentado, mas pondera que caso terroristas o quisessem fazer, seria extremamente fácil.

“Vou dar uma boa notícia, em termos de Segurança Pública, eu diria que estamos com uma segurança satisfatória. Existe um canal da inteligência em contato direto com a bandidagem, eles vão tirar férias, é a trégua. Já para cometer um atentado terrorista no Brasil é mais fácil do que tirar doce de criança, neste sentido estamos desprotegidos. O sonho de consumo de qualquer organização terrorista é o passaporte brasileiro, porque eles têm dificuldades para entrar nos países e como no Brasil não tem a divisão racial de outros lugares, qualquer pessoa consegue entrar”, completou.