"A maioria poderia não existir", diz Atala sobre programas de disputa culinária

  • Por Jovem Pan
  • 23/10/2015 11h45
Jovem Pan

Dono do D.O.M, o chefe de cozinha Alex Atala participou do Morning Show desta sexta-feira (23) e comentou sobre a profissão, as tendências gastronômicas e os realities culinários. “Caguei para ser chefe, tenho um puta orgulho de ser cozinheiro”, garantiu.

Atala também considera que é bom ter programas de competição para novos chefes na televisão, porém, fez algumas ressalvas. “Gera deformações, mas tem um resultado melhor para profissão a médio prazo. A maioria poderia não existir, mas eles trazem um lado bom sim, mas desde que passem mensagens reais”. O profissional também elogiou talentos brasileiros.

À equipe de Edgard Piccoli, Alex Atala reclamou do que considera uma “extrema valorização” de pratos e cozinhas internacionais, já que o Brasil tem uma vasta cultura gastronômica. “Existe uma culinária tradicional brasileira que deve ser valorizada, mas nesse momento é esquecida por causa de uma cultura colonizada que abre os olhos só para o que é de fora”, afirmou. 

Envolto em polêmicas por adorar carnes e vez ou outra fazer “performances” com bichos mortos, Alex Atala pregou a conversa e bom senso. “Aos veganos, tenho respeito por um monte deles. Agora, tudo que tem bandeirinha da mão, de gay, anti-gay, caça, anti-caça, é muito chato. Exageros não cabem hoje em dia. Vivemos num mundo em que guerra não deveria fazer parte, diálogo eterno”, pregou.

Nos estúdios da Jovem Pan, a banda Scalene também participou brevemente e comentou que durante os shows, costuma pedir comidas de fácil preparo. “No nosso camarim, as são comidas são práticas, como tábua de frios e pizza. Ainda não estamos no nível de exiger buffet”, falou o guitarrista Tomas Bertoni.