‘Povo sustenta as riquezas de Ludmilla enquanto ela propagandeia para Lula’, diz Holiday

Em entrevista ao Morning Show, o vereador afirmou que show da cantora feito durante a Virada Cultural foi usado para propaganda política

  • Por Jovem Pan
  • 31/05/2022 14h40
Reprodução/Jovem Pan Fernando Holiday no Morning Show Fernando Holiday foi o convidado do programa Morning Show desta terça-feira, 31

Nesta terça-feira, 31, o programa Morning Show, da Jovem Pan, recebeu o vereador Fernando Holiday (Novo-SP). Em entrevista, ele esclareceu a ação que move para a suspensão do cachê do show da cantora Ludmilla na Virada Cultural, que ocorreu no último fim de semana em São Paulo. Segundo ele, a artista fez campanha política com uso de dinheiro público ao gesticular no palco a letra L. “Ela recebeu RR$ 220 mil que poderiam ter ido para os cofres públicos, hospitais ou creches, para a segurança pública. Foi para o bolso dela para fazer campanha para o Lula. Estou questionando esse dinheiro público que ela recebeu para fazer campanha. Não foi uma apresentação privada, foi durante a Virada Cultural, R$ 220 mil que saíram do IPTU, do INSS, dos pequenos empresários, dos moradores da favela para sustentar as riquezas da Ludmilla enquanto ela propagandeia a campanha do ex-presidente Lula”, disse. Ele afirmou que sua intenção não é privar a cantora de se expressar. “Não estou querendo que a Ludmilla seja calada ou impedida de fazer, seja lá qual for a letra com os dedos da mão dela. Dinheiro público não serve para isso, há um modus operandi.”

Nas redes sociais, Ludmilla ironizou o parlamentar, afirmando que a letra L também é a inicial de seu nome. Holiday, no entanto, disse que há um “modus operandi” entre artistas e o Partido dos Trabalhadores. “Há um modus operandi do PT. Você tem 5 representações contra o Lula de campanhas antecipadas, boa parte deles acontecem em eventos públicos, financiados com o dinheiro público. Foi o caso da Daniela Mercury e é o caso da Ludmilla, que estava há cerca de dois meses atrás em encontro com artistas e Lula. Posando, gravando vídeos e fazendo L. Associando esse símbolo, que ela diz que é do nome dela, à campanha do presidente Lula”, explicou. “Há todo um histórico para que se utilize eventos públicos para tentar angariar eleitores para o Lula. Protocolei na Câmara hoje um pedido de CPI para investigar todos esses eventos culturais financiados com dinheiro público e qual é a tendência política”, concluiu.

Confira na íntegra a entrevista com Fernando Holiday: