Natal 2015 será fraco e 13º salário pagará as contas do começo do ano

  • Por Jovem Pan
  • 03/11/2015 06h53
A tarde desta quinta-feira (27) teve muito basquete e diversão na Escola Especial CENTRAU, que atende estudantes com deficiência auditiva. Foto: Jaelson Lucas/SMCSPapai Noel Natal

 O Natal em 2015 vai ser fraco e os gastos das famílias no início de 2016 devem crescer pelo menos 10%, é o que afirma economista. O professor Gilberto Braga acredita que a recessão deste ano já contaminou a recuperação da atividade no próximo. Ele prevê queda nas compras de fim de ano porque quem está empregado vai usar o décimo terceiro salário para pagar dívidas. O professor adverte para o peso das despesas obrigatórias do primeiro trimestre: “A demanda, ou seja, a vontade de comprar das pessoas neste final de ano, vai ser muito fraca. A inflação alta projeta que, no ano que vem, vamos ter uma chegada de contas, IPTU, IPVA, renovação de matricula, etc, com aumento de pelo menos 10% de aumento”.

Já o analista econômico, Miguel Daoud, aposta em um nível de desemprego perto de 12% em 2016, entre outros problemas para o trabalhador. Ele acrescenta que, na melhor das hipóteses, a atual crise econômica vai continuar como está: “Nosso PIB vai continuar caindo, nós vamos ter uma queda mais acentuada da arrecadação e o Banco Central, se continuar com esse instrumento que ele vem insistindo, vai aumentar a taxa de juros, e o desemprego vai chegar a 12% infelizmente”.

Miguel Daoud sugere a venda de 200 bilhões de dólares das reservas para aplicar na redução da dívida do Governo. Ele destaca ainda a fortuna que o Brasil gasta todos os anos para segurar dólares emprestados à taxa Selic, aplicados a juros internacionais perto de zero.