Amoêdo lamenta que MP do Saneamento não passará: ‘Ideologia errada empurra o Brasil para o atraso’

  • Por Jovem Pan
  • 30/05/2019 19h17
Jovem PanJoão Amoêdo (Novo) falou sobre a MP do Saneamento em entrevista ao programa Os Pingos nos Is

O presidente nacional do partido Novo, João Amoêdo, lamentou, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, que a Medida Provisória 868, que trata sobre o Marco Legal do Saneamento Básico no Brasil e facilita a privatização dos serviços, não será aprovada pelo Congresso. “Mais uma vez a ideologia errada do PT e do PSOL empurra o Brasil para o atraso”, afirmou, destacando que os partidos contribuíram para a obstrução da pauta na Câmara dos Deputados.

O ex-candidato à presidência da República explicou que a aprovação da MP criaria um ambiente propício aos investimentos no país, além de resolver um problema crônico no Brasil. “Quem sofre com isso são os mais pobres, que não têm acesso a água tratada e acabam tendo custos com a saúde”, disse.

Ele afirmou que apenas 6% de todo o negócio de saneamento está nas mãos de empresas privadas, enquanto 94% fica com estatais. Amoêdo citou o Chile como exemplo a ser seguido. “No Chile, 94% do saneamento está na mão de empresas privadas e eles têm quase 99% do território coberto. No Brasil, são 6% com empresas privadas e cerca de 50% de cobertura.”

Teoricamente, a MP pode ser aprovada até a próxima segunda-feira (3), mas Amoêdo não crê que isso acontecerá. “A chance de ser aprovada é pequena”, lamentou.

João Amoêdo ainda comentou uma outra Medida Provisória, a das Aéreas. Entre outras coisas, a MP obriga empresas aéreas a fornecerem uma franquia de bagagens despachadas aos clientes. “A bagagem não viajará de graça, vai ter custo para a bagagem viajar. Quem vai pagar por esse custo? Todos os passageiros ou só quem tem bagagem?”, questionou.

A medida foi aprovada no Senado no dia 22 de maio e depende da sanção do presidente Jair Bolsonaro. “É importante que o presidente vete essa história da gratuidade, essa gratuidade não existe. O preço da bagagem vai ser pago por todos, até por quem não tem bagagem”, continuou o presidente do Novo.

Apoio a Bolsonaro e gestão Zema

O líder do Novo também falou sobre a participação do partido em um bloco independente na Câmara formado por Podemos, Pros, PV e outros partidos. Amoêdo afirmou que a legenda irá ajudar Bolsonaro com os projetos que se alinharem ao que eles defendem. “Todos os projetos que forem na linha do que a gente defende terão um apoio muito enfático do Novo, muitas vezes até maior do que o próprio partido do presidente”, prometeu.

Ele, no entanto, ressaltou que também haverá críticas ao governo. “Vamos criticar, de forma construtiva, o que a gente achar que não está funcionando. O governo deveria estar 24 horas falando da reforma da Previdência e melhorar a gestão na educação”, exemplificou.

João Amoêdo ainda comentou a gestão de Romeu Zema em Minas Gerais. Ele foi o único governador eleito pelo Novo. “Temos ajudado a gestão do Zema, temos participado de reuniões como se fosse um conselho a ele”, contou.

O presidente nacional do partido explicou que o governador mineiro herdou um estado quebrado e está tentando colocar as coisas nos eixos. “Ele assumiu um estado com um déficit enorme nas contas. Agora, o grande desafio é passar a recuperação fiscal na Assembleia [Legislativa de Minas Gerais].”