Ana Paula: Enquanto a gente não desamarrar nó do foro privilegiado, país vai ficar de joelhos ao STF

Comentarista do programa ‘Os Pingos Nos Is’ disse ainda que não entende o medo envolvido na investigação de governadores e prefeitos pela CPI da Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2021 20h33 - Atualizado em 13/04/2021 20h55
Valter Campanato/Agência BrasilComentarista também criticou composição atual da Corte

Em entrevista exclusiva ao programa ‘Morning Show‘, da Jovem Pan, desta terça-feira, 13, o senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) contou detalhes da conversa que ele teve com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Na gravação, o mandatário fala sobre ampliar os investigados na CPI da Covid-19, incluindo governadores e prefeitos, e lembra de que existem pedidos de impeachment contra ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Kajuru afirmou que Bolsonaro sabia da publicação do conteúdo da conversa e disse que não tinha nada a esconder. “Aceito prazerosamente, e acho que a Justiça deveria fazer isso. Abrir o sigilo telefônico meu e dele e ver se houve alguma conversa antes. No sábado a noite eu estava chateado porque não aguentava mais ouvir o presidente Bolsonaro chamar todo mundo de ‘canalha’ e dizer que todos os senadores queriam uma CPI ‘sacana’ somente contra ele e não contra governadores e prefeitos. Eu chateado liguei para ele e, se você ouvir a conversa, o tempo todo eu insisti com ele. ‘Você colocou todo mundo na mesma vala, no mesmo balaio’. […] O presidente tava careca de saber que eu estava gravando, tanto que ele aproveitou da gravação para falar o que ele queria, para se dirigir ao STF, para falar de impeachment, para xingar quem ele queria xingar”, disse o senador. Kajuru afirmou que nunca mais irá falar com o presidente e que suas relações com Bolsonaro estão cortadas.

A comentarista do programa “Os Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, Ana Paula Henkel falou sobre o assunto na edição desta terça e disse que a discussão sobre o conhecimento ou não do presidente sobre a gravação não ajuda o país. “Fica uma conversa de janela. E eu acho que o país não está precisando. Não precisa nem um pouco desse tipo de caminho agora, desse tipo de ‘candinha’ no momento. A gente têm muita coisa para olhar, para consertar. Não apenas dentro da pandemia, mas reformas a serem feitas. A gente precisa começar a discutir de uma maneira muito séria a própria PEC do foro privilegiado, porque a gente vê que, enquanto a gente não desamarrar esse nó do foro privilegiado, o país vai ficar de joelhos ao STF o tempo todo e essa composição do STF a gente já viu que é uma composição que não respeita muito a Constituição”, disse a comentarista, que continuou: “Os senadores, por outro lado, são os encarregados constitucionalmente de colocar esses desmandos da Suprema Corte na linha. No entanto, é a Suprema Corte que julga os senadores. A gente tem que começar, num certo ponto, a discutir esse foro privilegiado, porque isso está empacando muito a nossa vida”.

Em seguida, Ana Paula falou sobre a investigação de governadores e prefeitos na CPI, dizendo não entender o medo de “investigarem tudo”. “Eu não entendo qual é o medo de investigar tudo. De investigar o governo federal, que o presidente Bolsonaro mostrou que não tem medo. […] Mas qual é o medo de investigarem, também, governadores e prefeitos, porque você vai lá no portal da transparência e está lá, todos os bilhões de reais que foram repassados para Estados e municípios pelo governo federal. É justo que as pessoas saibam para onde esse dinheiro foi, onde estão os hospitais de campanha”, afirmou a comentarista. Por fim, Ana Paula também afirmou que a pandemia está sendo utilizada como arma política no Brasil para desgastar a gestão de Bolsonaro. “A gente vê que no Brasil, dentro dessa pandemia, principalmente usada como uma arma política, quase tudo agora é usado para atacar o presidente Bolsonaro e seu governo”, concluiu.

Confira a íntegra da edição do programa Os Pingos Nos Is desta terça-feira, 13: