‘Está marcado na história: O país discute Renan Calheiros no meio da pandemia’, diz Fiuza

‘Os Pingos Nos Is’ comentou a prorrogação da CPI da Covid-19 e depoimento do deputado Fausto Vieira Junior

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2021 19h25 - Atualizado em 29/06/2021 20h15
Edilson Rodrigues/Agência Senado - 09/06/2021Renan Calheiros, relator da CPI da Covid-19

A CPI da Covid-19 ouviu, nesta terça-feira, 29, o deputado estadual Fausto Vieira Junior (MDB), que foi relator da CPI da Saúde na Assembleia Legislativa do Amazonas no ano passado. No Senado, o parlamentar apresentou irregularidades encontradas durante a investigação estadual e foi acusado pelo presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM), de ter poupado o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC). Os dois discutiram e, ao fim da sessão, Aziz afirmou que vai quebrar o sigilo de Fausto Junior. “O Amazonas e as pessoas que estão me acusando vão ver a verdade. Eu vou apontar o motivo de o deputado não ter indiciado o governador do Amazonas, e o motivo é muito grande”, disse. Nesta segunda-feira, 28, os senadores conseguiram o número de assinaturas necessárias para prorrogar a CPI da Covid-19 por mais 90 dias. 

Para Guilherme Fiuza, comentarista do programa “Os Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, a Comissão foi prorrogada porque virou o centro das atenções no Brasil. “Foi prorrogada e vai continuar dominando e sugando a atenção e energia do país nesse momento. O Brasil não consegue dar a indiferença, não consegue colocar esse picadeiro em segundo lugar. Então a gente vai ficar aí discutindo CPI por mais um bom tempo”, afirmou. Fiuza disse que a CPI “agride e ofende a sociedade brasileira” em um momento em que as instituições deveriam estar focadas em outros assuntos, como medidas contra a pandemia. “Alguém fala de reforma tributária e administrativa? Um aqui e outro ali”, continuou. “O país está discutindo Renan Calheiros no meio da pandemia e isso está marcado na história”, completou.