‘Partido tem alguns pontos de atrito’, diz Cristina Graeml sobre ida de Bolsonaro ao PL

Comentaristas do programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan, desta segunda-feira, 15, analisaram as declarações do presidente sobre negociações para se filiar ao PL

  • Por Jovem Pan
  • 15/11/2021 19h02
Foto: José Dias/PR Jair Bolsonaro Comentaristas analisaram possibilidades de filiação para o presidente Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que espera “se casar ou desfazer o noivado” com o Partido Liberal (PL) em “pouquíssimas semanas”. A declaração foi feita pelo mandatário nesta segunda-feira, 15, em conversa com a imprensa em Dubai, nos Emirados Árabes, durante o terceiro dia de sua viagem oficial ao Oriente Médio. “Eu espero em pouquíssimas semanas, duas, três, no máximo, casar ou desfazer o noivado. Mas eu acho que tem tudo para a gente casar e ser feliz”, afirmou Bolsonaro. Na última semana, o PL anunciou que o presidente iria se filiar ao partido e marcou o ato de filiação para o dia 22 de novembro. Entretanto, durante uma conversa com a imprensa neste domingo, 14, Bolsonaro informou que tem pendências para resolver com Valdemar Costa Neto, presidente da legenda. “Não é a minha bandeira que vai ficar isolada no partido dele. Nós queremos um projeto de Brasil, e o discurso não é apenas o meu, é do presidente do partido também”, disse o presidente.

O tema foi debatido no programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan, desta segunda-feira, 15, com os comentaristas analisando as negociações envolvendo a ida de Bolsonaro à legenda. Para a comentarista Cristina Graeml, a ida do presidente para o PL esbarra em atritos por conta das alianças do partido ao redor do país. “O PL tem alguns pontos de muito atrito. No Nordeste, o PL tem parcerias com o PT de Lula. Como que vai ser no Piauí, que o PL é aliado do governador Wellington Dias? Como é que vai ser em Pernambuco em que o prefeito de Jaboatão dos Guararapes está anunciando uma chapa que vai fechar com a prefeita de Caruaru sendo ela do PSDB e ele do PL?”, questionou Cristina, que continuou: “Se Bolsonaro aceitar ir para o PL, ele tem que ir abrindo mão desses vários nichos que, obviamente, já provocam alguma ruptura no início de candidatura. Parece que ele não abre mão de escolher os candidatos ao Senado e a gente tem visto nesse governo dele a dificuldade para aprovar projetos, especialmente no Senado. Se ele quer ter uma chapa forte, é fundamental que ele tenha fortes candidatos ao Senado em todos os Estados. E se isso for um empecilho para o PL […], já começa conturbado esse casamento”.

Confira a íntegra do programa desta segunda-feira, 15: